Data Extra

Expresso do Oriente

Com Mateus Brandão 09 a 19 jan 2021

Em outubro de 1883, partia de Paris, com destino a Constantinopla, aquele que se tornaria no mais mítico dos grandes expressos europeus: o Expresso do Oriente. Foi extinto em 2009, quando já fazia apenas a ligação entre Estrasburgo e Viena. É precisamente a partir da capital austríaca que embarcamos numa viagem sobre os trilhos da memória.

Durante onze dias, viajamos nos comboios regulares, percorrendo cinco países do coração da velha Europa. Exploramos as suas emblemáticas cidades sem pressas nem determinações, à procura da vida das praças e dos cafés literários; perscrutando a história recente que, de forma tão indelével, caracteriza esta região. Subimos a mosteiros envoltos em nevoeiro e saboreamos, na gastronomia local, o legado otomano. Descobrimos pequenos e improváveis recantos, sem esquecer os monumentos mais emblemáticos.

  • Impacto cultural
    Visitas países europeus com costumes muito semelhantes aos que estás habituado. Com o avançar dos dias, há um contacto mais próximo com a cultura otomana. Não terás problemas de adaptação.
  • Esforço físico
    Apesar de caminharmos todos os dias durante as visitas às cidades, esta é uma viagem ao alcance de qualquer pessoa.
  • Nível de conforto
    Nas noites a bordo do comboio, conta com camas em cabines de seis passageiros, com lençóis, manta, almofada e aquecimento. Os hotéis são cómodos, sem desvirtuar o nosso estilo de viagem.

09 a 19 jan 2021

1100 €11 Dias
Voo não incluído.  Valor indicativo: 300€

Número de viajantes

1100€ por viajante

Percurso

Dia 1Chegada a Viena

Ao chegar ao aeroporto de Viena, vais encontrar o líder Nomad Mateus Brandão à tua espera, para te dar as boas-vindas a uma cidade cuja riqueza histórica e o ambiente distinto não deixam ninguém indiferente. 

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 2Viena e Comboio para Budapeste

Pela manhã, percorremos o centro histórico daquela que foi, em tempos, a capital do grande império austro-húngaro. Bebemos do seu ambiente cosmopolita, descobrimos os mercados de fim de semana nas pequenas praças, saboreamos um café para lá da porta de uma das magníficas fachadas clássicas que compõem estas ruas imperiais. 

À tarde, guiados pela mão de quem a conhece, espreitamos a mítica ópera de Viena. Ao som da música que anima as artérias mais típicas da cidade, provaremos ainda a tão famosa torta de chocolate, mesmo antes de, ao final da tarde, embarcamos no primeiro comboio desta aventura rumo a Budapeste, para um encontro marcado com o Danúbio.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 3Budapeste e Comboio Noturno para Bucareste

Marcada por um passado conturbado e um presente incerto, Budapeste é de paixão fácil. É junto às águas calmas do Danúbio que se inicia o nosso deambular. Nas margens do rio que trespassa a cidade ao meio, recordam-se aqueles que ali tombaram sob as mãos das Milícias da Cruz de Ferro, bem ao lado do neo-clássico edifício do parlamento. 

A nossa descoberta continua no Bastião dos Pescadores, que comemora as sete tribos que fundaram a Hungria e onde se esconde o bunker que serviu de hospital durante o período da guerra. Exploramos ainda o antigo Palácio Imperial e a Igreja de São Matias. Finalmente, a meio da tarde, relaxamos nos famosos banhos termais, sentindo o verdadeiro pulsar da cidade. À noite, embarcamos num outro comboio, desta feita, rumo a Bucareste. 

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Comboio

Dia 4Comboio para Bucareste

Depois da primeira noite a bordo, chegamos a Bucareste a meio da tarde. A viagem entre as duas capitais será a mais longa da nossa aventura, com cerca de 16 horas, mas muito recompensadora. Pela manhã, atravessamos a região da Transilvânia, antes de entrarmos na cordilheira dos Cárpatos. Da janela, desfrutamos das magníficas vistas sobre as montanhas e florestas alpinas da Roménia.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 5Bucareste

Passamos a manhã a percorrer o centro de Bucareste, descobrindo as labirínticas e coloridas ruelas da Cidade Velha, onde igrejas ortodoxas centenárias convivem com bares, livrarias e outras marcas de um ambiente cosmopolita. Sobra ainda tempo para admirar o segundo maior edifício do mundo: o Palácio do Parlamento, herança arquitetónica de um sombrio período da história romena, sob a mão de ferro de Nicolae Ceausescu. 

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 6Comboio para Sófia

Deixamos Bucareste para partir em direção à capital da Bulgária. Esta é uma viagem de cerca de nove horas sobre carris, interrompida pela troca de comboio na fronteira búlgara. Aprecia a paisagem que corre à tua janela, especialmente a travessia do Danúbio, naquela que é a ponte de vias de aço mais longa do mundo. Chegamos a Sófia ao final da tarde. 

Situada no sopé do maciço montanhoso de Vistosha, bem no centro da península dos Balcãs, Sófia é a capital a maior altitude e uma das mais antigas da Europa.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 7Sófia

Entramos na segunda metade da viagem e, depois da azáfama dos últimos dias, a manhã será livre para descansar ou explorares a cidade ao teu ritmo. Ao final da manhã, descobrimos o mercado — no chamado Centro da Tolerância, confluem uma mesquita, uma sinagoga, uma igreja católica romana e outra ortodoxa. 

Mais tarde, conhecemos os cafés e as principais praças da capital búlgara, bem como a imponente Catedral de Alexander Nevsky, construída como homenagem aos soldados russos perdidos durante a Guerra Russo-Turca entre 1877 e 1878, que libertou a Bulgária do domínio otomano. Sófia era a cidade preferida do imperador Constantino, que dela terá dito “esta é a minha Roma”. É detentora de um passado que a foi moldando de forma especial, com traços ainda visíveis do período otomano a rasgar as feições austeras dos edifícios de influência soviética e ortodoxa, que se impõem e nos obrigam a contemplá-los.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 8Mosteiro de Rila e Comboio Noturno para Istambul

Deixamos Sófia e partimos para a montanha, até ao magnífico Mosteiro de Rila. Pelo caminho, aproveitamos para apreciar a paisagem montanhosa, pontuada por pequenas vilas e aldeias por onde vamos passando. Já no mosteiro, deixamo-nos impressionar pelo ambiente monástico e pelas pinturas de indescritível beleza da Igreja da Natividade. 

Antes de regressarmos a Sófia, paramos junto ao rio, para um almoço onde não faltam a truta grelhada e outros pratos típicos da culinária búlgara. Ao final do dia, partimos no último comboio rumo a Oriente, com chegada a Istambul prevista para o início da manhã seguinte. 

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Comboio

Dia 9Istambul

Istambul (ou Constantinopla, como se chamava nos tempos áureos do Expresso do Oriente) é a porta de saída da Europa e de entrada na Ásia. Para o Mateus, é o umbigo do mundo, a sua cidade de eleição. Aqui, misturam-se universos, e é no cruzar do Bósforo que se percebe esse encontro de culturas, de rotas comerciais, de crenças e feições que nos fazem sentir no mundo de Pamuk, que melhor do que ninguém soube descrever a sua complexidade. 

Celebramos a nossa chegada e o final da mítica viagem, com um característico chá, um kebab, um lahmacun no Bairro Curdo ou uma sandes de cavala na margem do Corno de Ouro, nesta que é também uma das melhores cidades do mundo para descobrir novos e exóticos paladares. Pelo caminho, perdemo-nos nas múltiplas artérias do Grande Bazar e espreitamos a grande Mesquita de Süleymaniye, de onde olhamos o Bósforo e as três torres que caracterizam a cidade. Descemos ao Bazar das Especiarias e jantamos na Ásia.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 10Istambul

Istambul vai revelar-se aos nossos olhos como uma celebração. Aqui, onde o Ocidente encontra o Oriente, deixamo-nos arrastar lentamente na contracorrente do ritmo alucinante de uma das maiores cidades do mundo. Pela manhã, descobrimos um hamman para uma das mais características experiência de Istambul. À tarde, rumamos à mítica Praça Taksim, descemos a Avenida Istiklal e terminamos com um pôr do sol sobre a cidade junto à Torre Galata.  

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 11Istambul e Voo de Regresso

É dia de deixar Istambul e as memórias do Expresso do Oriente, e voltar a casa. Se o horário do teu voo o permitir, podes ainda visitar a mesquita de Aya Sófia, outrora uma Basílica Ortodoxa, agora convertida em museu, a Mesquita Azul ou os palácios Topkapi e Dolmabahçe, antes de rumares ao aeroporto para o regresso a casa. 

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: -

Inclui:

Acompanhamento do líder Nomad durante toda a viagem
Transfers de aeroporto (dentro das datas do programa)
Alojamento durante todo o programa
Transportes durante todo o programa
8 pequenos-almoços
Atividades e visitas descritas no programa (exceto as indicadas em Exclui)

Exclui:

Voos internacionais
Visto Turquia (cerca de 30€)
Alimentação não especificada (cerca de 40€ por dia)
Entradas e atividades em Istambul (cerca de 20€)
Seguro pessoal
Atividades não especificadas
Extras pessoais

Perguntas Frequentes

  • Para fazer esta viagem preciso de visto?

    Desde abril de 2014, a Turquia obriga à obtenção de um visto eletrónico para entrar no país. Para obter o e-visa, tens de preencher o formulário disponível neste site e efetuar o pagamento através de cartão de crédito (Visa ou Mastercard). Após a validação dos dados, ser-te-á enviado um link para fazeres o download do documento, que deves imprimir e levar contigo em viagem. O e-visa tem um custo de cerca de 30€ e, embora tenha um prazo médio de emissão de 24 horas, aconselhamos que o peças com cerca de uma semana de antecedência. Os restantes países por onde passamos nesta viagem não requerem visto a cidadãos portugueses. Embora não seja obrigatório, sugerimos que tragas também o teu passaporte, e não apenas o cartão de cidadão.

  • Podem reservar-me noites extra no início e fim da viagem?

    A Nomad pode reservar-te noites extra no início e/ou no fim da viagem. No entanto, está sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faças o pedido assim que saibas as datas da tua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-te toda a informação sobre preços e disponibilidade.

  • Como são os alojamentos durante a viagem?

    O alojamento desta viagem divide-se entre hotéis e noites passadas a bordo do comboio. Escolhemos alojamentos bem localizados no centro das cidades e perto dos principais pontos de interesse, de forma a facilitar as deslocações previstas no programa. São alojamentos que respiram a atmosfera das povoações visitadas, caracterizados pelas marcas culturais da região, de forma a acentuar os contrastes que se podem sentir ao longo da viagem. 

    Os hotéis em que pernoitamos não são de cadeias internacionais - são simples, pequenos e geridos por gente local, onde somos acolhidos por um staff amigável, já familiarizado com os grupos de viagem da Nomad. Todos os quartos têm casa de banho privativa e acesso à internet. 

    Nas noites passadas a bordo dos comboios, conta com camas em cabines para seis passageiros, asseadas e com lençóis, manta, almofada e aquecimento. São espaços pequenos que apelam ao nosso sentido de arrumação e paciência. Lembra-te: o famoso Expresso do Oriente fazia este mesmo percurso e a experiência de dormir a bordo na rota deste mítico comboio faz também parte desta aventura.

  • Como é a alimentação durante a viagem?

    Embora não muito distantes do Mediterrâneo e de uma dieta próxima da nossa, a gastronomia que encontramos ao longo da viagem tem as suas particularidades. Em Viena, não deixes de provar o famoso wiener schnitzel, o tradicional panado austríaco, ou o saboroso, embora menos conhecido, spätzle (massa), nas suas diversas variedades. Em Budapeste, o pato é uma especialidade e, a partir de Bucareste, os sabores e influências da cozinha otomana começam a fazer-se sentir. Já em Sófia, não podes deixar de provar a tarator, uma sopa à base de iogurte e pepino. Aqui, a carne voltará a estar bem presente à nossa mesa, mas teremos oportunidade de provar outra das especialidades locais: a truta grelhada dos ribeiros de Rila, acompanhada de batatas com queijo e funcho, uma erva aromática muito utilizada por estes lados. 

    Chegados a Istambul, o difícil será escolher. Com influências que se estendem desde a Ásia Central à Europa, a cozinha turca é tudo menos monótona. Podes provar o incontornável kebab cozinhado a lenha, que terá sido criado por turcos, na Alemanha, o lahmacun, uma pizza de massa fina e barrada com carne picada, ou o pide, um pão tipicamente turco, comprido e recheado de queijo, carne ou vegetais, não esquecendo ainda as sandes de cavala. Provamos também as típicas mezzes - saladas e aperitivos que dão entrada às grandes refeições -, o pão, que muitas vezes ainda chega quente à mesa e em forma de nuvem, a sopa de lentilhas (ligeiramente picante), ou o manti, uma espécie de ravióli com iogurte. E para adoçar a boca, nada melhor que uma baklava de pistáchio, antes de fecharmos tudo com um café turco, ou um chá preto ou de orégãos.

  • Como vou gerir o dinheiro durante a viagem?

    Durante esta viagem, passamos por países do leste europeu que não fazem parte da União Europeia ou da Zona Euro. Com exceção da Áustria, em todos os outros países por onde passamos é necessários cambiar dinheiro. 

    É muito fácil encontrar máquinas ATM, mas os levantamentos podem ter uma taxa de serviço elevada. Os pagamentos com cartão de crédito ou débito têm aceitação generalizada. 

    Grande parte da alimentação não está incluída no programa. Conta com cerca de 40€ por dia para tal. Também não estão incluídas água ou outras bebidas, nem algum snack que queiras fazer em algum local de paragem. As atividades e visitas descritas no programa estão incluídas, sendo que quaisquer outras que queiras fazer terão de ser pagas à parte. 

    Aconselhamos-te a levar um cartão Revolut ou outro do mesmo género. As principais vantagens são as taxas reduzidas ou inexistentes. Alegadamente, as taxas de câmbio são mais favoráveis do que as dos bancos tradicionais, por isso é uma excelente opção para poupares dinheiro em taxas durante a viagem.

    É conveniente levares um fundo de emergência de 200€ em dinheiro. Pode servir se, por qualquer razão, não conseguires levantar dinheiro logo à chegada ou noutro local durante o percurso. Nesse caso, farás com facilidade a troca para a moeda local num banco ou numa casa de câmbios.

  • Como é o acesso à eletricidade durante a viagem?

    Durante toda a viagem, há wi-fi nos hotéis, cafés e restaurantes, mas o acesso à internet nem sempre é muito rápido. Há também uma boa cobertura de 3G nas cidades. Consegues comprar facilmente um cartão de telemóvel local, se quiseres. A rede de telemóvel estará disponível durante toda a viagem - será raro não a termos. Todos os alojamentos têm eletricidade, incluindo os comboios. No entanto, pode haver poucas tomadas disponíveis, por isso aconselhamos-te a levar uma ficha tripla.

  • Como são os transportes durante a viagem?

    Os transportes desta viagem são sobretudo comboios regulares, onde passamos várias horas. Os comboios são diferentes entre si, mas todos são confortáveis, comparados com a maioria dos lugares do mundo. As carruagens estão equipadas com casas de banho e os compartimentos são espaçosos e cómodos. 

    Recorremos ainda a uma carrinha privada para visitar o Mosteiro de Rila e a um autocarro local na chegada a Istambul. Dentro das cidades, andamos a pé ou utilizamos as redes de transportes públicos, como autocarros, metro ou táxi.

  • Como é o clima durante a viagem?

    Normalmente, as datas desta viagem coincidem com o inverno, pelo que podes esperar, regra geral, temperaturas entre os 0º C e os 10º C durante praticamente todo o percurso. Por norma, as temperaturas nesta região da Europa não costumam descer abaixo dos -5º C (podendo, no entanto, em casos pontuais, atingir os -12º C) e a neve é um dos pontos fortes destas edições. Contudo, o pior inimigo é por vezes o vento, conferindo uma sensação térmica abaixo do real (especialmente em Viena). Se, por outro lado, a tua viagem acontecer em alturas mais amenas, podes esperar temperaturas primaveris que, salvo raras excepções, ultrapassam os 29º C. Istambul é a única cidade do nosso itinerário que apresenta algumas diferenças. Embora a cidade registe anualmente alguns dias de neve, dificilmente as temperaturas baixam dos 4º C. A época de maior precipitação é precisamente durante os meses de inverno — em contraste com o resto das cidades por onde passaremos, que são mais chuvosas entre maio e julho.

  • Esta viagem exige cuidados de saúde especiais?

    A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina como meio preferencial para o teu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projeto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. A consulta deverá ser feita com um mínimo de um mês da data de partida para a viagem.

  • Com quem vou partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tens a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais te agradar.

  • Podem reservar-me os voos internacionais?

    A Nomad não dispõe do serviço de reserva de voos. O voo não está incluído no preço da viagem, para que possas ter a flexibilidade de escolher onde queres comprar o voo e de onde queres partir. 

    Se quiseres comprar os bilhetes de avião através de uma agência, recomendamos que recorras aos nossos parceiros Rotas do Mundo. Nos dias de hoje, a oferta online de ferramentas de pesquisa e marcação de voos internacionais é imensa, por isso poderás também optar por reservar os voos de forma independente. Se for o caso, sugerimos que consultes motores de busca como o Google Flights e a Momondo, que te apresentam várias soluções com diferentes itinerários, a preços competitivos.

    Lembramos que só deves comprar os bilhetes de avião quando a viagem estiver confirmada, ou seja, quando estiver garantido o número mínimo de participantes para a mesma se realizar. Se decidires inscrever-te na viagem, receberás um email assim que isso aconteça, com a indicação de que já podes proceder à reserva dos voos.

  • Se os voos são marcados de forma individual, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    A marcação dos voos é da responsabilidade dos viajantes. No entanto, vamos pedir-te os detalhes da tua reserva e os horários de chegada. Esta informação será transmitida ao líder Nomad. À chegada, o líder vai estar à tua espera no aeroporto para te levar para junto do resto do grupo.

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Podes. A maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho, sem qualquer alteração ao preço.

Resumo de viagem

Destinos

Áustria, Hungria, Roménia, Bulgária, Turquia

Atividades

Descoberta cultural, Viagem de comboio

Dormida

Comboio: 2 noites, Hotel: 8 noites

Transportes

Comboio, Táxi

Reservas

Min: 5 | Max: 12

Voo não incluído

Valor indicativo: 300€

Testemunhos

Foi além de qualquer expectativa que criei. Aconselho esta viagem a todos!
Ana T.
A minha paixão por comboios é tão grande que esta viagem nem precisava de muito para ser a minha cara. No entanto, e depois de muitas viagens, esta foi a viagem da minha vida.
Rui A.
O Mateus é um líder excelente! Faz-nos sentir seguros e libertos para apreciar a viagem.
Ana N.