Trilhos dos Cárpatos

Com António Luís Campos 21 a 31 jul 2018

No centro da Europa erguem-se os Cárpatos, a segunda maior cordilheira do continente. Vamos explorá-los, percorrendo os melhores trilhos de cinco parques naturais, numa paisagem muito diferenciada.

Este é hoje um dos últimos redutos europeus da fauna de grande porte, como o lobo, o veado ou o urso pardo. Neste cenário natural, entre o sul da Polónia e o norte da Eslováquia, percorremos trilhos de montanha que cruzam bosques de coníferas, circundam lagos alpinos e atravessam pequenas aldeias. Acompanhe-nos em trekkings que percorrem cinco parques nacionais, em ambientes que vão desde cumeadas graníticas de alta montanha a profundos vales calcários, onde enfrentamos alguns desafios como passadiços e escadarias de madeira e ferro. No final de cada dia, regressamos a um alojamento na base das montanhas para retemperarmos forças e desfrutarmos da gastronomia local.

  • Impacto cultural
    Viagem focada na natureza. No entanto, será acolhido por pequenas comunidades desta região.
  • Esforço físico
    Trekkings diários com dormida em alojamento na base da montanha. A maioria dos trekkings são de dia inteiro (6 a 8 horas) mas um deles será mais curto (3 a 4 horas).
  • Nível de conforto
    Os alojamentos são confortáveis, mas sem desvirtuar o nosso espírito de viagem. Deslocamo-nos numa carrinha privada entre os vários locais do itinerário.

21 a 31 jul 2018

980 €11 Dias
Voo não incluído.  Valor indicativo: 300€

Número de viajantes

980€ por viajante

Percurso

Dia 1Chegada a Cracóvia


À chegada a Cracóvia vai ter a aguardá-lo, no aeroporto João Paulo ll, o líder Nomad António Luís Campos, para lhe dar as boas vindas à Polónia e levá-lo ao hotel da cidade.

 Cracóvia é uma cidade pequena, mas muito cativante. No final da viagem teremos um dia inteiro para a visitar. Mas se chegar cedo, aproveite para provar um gelado numa das muitas esplanadas.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 2 Wielicka e Sanok


Hoje ainda não calçamos as botas de trekking. Deixamos Cracóvia cedo a bordo de uma carrinha, rumo ao canto sudeste do país, bem perto das fronteiras com a Ucrânia e a Eslováquia. Ao longo do dia fazemos paragens que nos permitem ir submergindo na cultura do país. A primeira é na mina de sal de Wielicka. É uma das maiores do mundo, classificada pela UNESCO como Património Mundial, e proporciona-nos imagens surreais da presença humana num local tão inacessível. Mais tarde, chegamos a Sanok, onde vamos passar a noite. Nas suas imediações visitamos um enorme museu ao ar livre (skansen), percorrendo as suas suaves colinas recobertas de floresta.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 3Trekking de Tarnica

Hoje sim, já  equipados para um dia de trekking, deixamos Sanok de manhã a bordo da carrinha que nos vai levar ao início do trilho. Este é o primeiro dia verdadeiramente de trekking da viagem, com uma duração aproximada de 6 horas. Leva-nos até ao pico Tarnica, o ponto mais alto do Parque Nacional de Bieszczady, a 1346m de altitude. Embora relativamente baixo, vai proporcionar-nos vistas sobre vales que se sobrepoem de forma sublime até à linha do horizonte. Ao fim do dia rumamos para Oeste, numa região onde encontramos centenárias igrejas ortodoxas de madeira até às proximidades do PN de Magurski, onde nos instalamos num pequeno hotel local. À noite, o António vai ainda desafiá-lo para uma curta caminhada nas proximidades.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 4Trekking PN Slovensky Raj (Paraíso Eslovaco)

Deixamos a Polónia e entramos na Eslováquia. Vamos caminhar no sugestivamente denominado Parque Nacional do Paraíso Eslovaco. Antes disso, paramos na bela cidade de Bardejov, património da UNESCO, para uma curta visita. Baseamo-nos numa pequena localidade, rodeada de floresta. O trilho de hoje toma-nos toda a tarde e percorre o vale do rio Hornad, no qual, em certos pontos, tem escadas cravadas na parede para tornar possível a progressão.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 5Trekking PN Slovensky Raj (Paraíso Eslovaco)

Acordamos para um novo percurso no “Paraíso Eslovaco”. O dia de trekking será longo, com cerca de 7 horas. Segue num outro troço do canyon calcário do rio Hornad, por vezes, pelo próprio leito do rio ou recorrendo a engenhosos passadiços e escadarias de madeira ou ferro. A pausa para o picnic do almoço será nas ruínas do mosteiro de Kláštorisko, no topo de uma colina com vistas que desvendam cenários de densa floresta, cruzada por cascatas e ribeiros de águas cristalinas. No final da tarde subimos a um grande promontório calcário, de onde em dias de boa visibilidade se vislumbram os picos dos Tatras, para onde seguiremos nos próximos dias.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 6Trekking PN Altos Tatras (Eslováquia)


Os Tatras dividem-se entre a Eslováquia e a Polónia e representam a região mais elevada das montanhas dos Cárpatos. Vamos explorá-los em ambos os países e começamos pela Eslováquia. Iniciamos então o nosso trekking, que nos tomará boa parte do dia (4 a 5 horas), com muitas paragens para contemplar a paisagem, que é agora tipicamente alpina. Montanhas rochosas emergem dos prados verdejantes que são frequentemente cruzados por rios ou prados de altitude. No final do trekking apanhamos um funicular até ao sopé da montanha e após um chá ou café bem quentes partimos de carrinha em direção à Polónia.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 7Trekking PN Tatras (Polónia)

Já do lado polaco dos Tatras, baseamo-nos em Zakopane, uma pequena povoação que é o epicentro das atividades de montanha da Polónia. O ski e o alpinismo invernais dão lugar, no verão, ao terreno de aventura para o trekking, bicicletas de montanha e escalada. Pela manhã, recorrendo novamente a um teleférico, regressamos à montanha, desta vez a partir da cumeada de Kasprowy Wierch. O trilho de hoje leva-nos sobre a fronteira a 2000 metros de altitude, pelo que podemos ter literalmente um pé na Polónia e outro na Eslováquia. Do topo é possível ver diversos picos dos Tatras, assim como vários lagos glaciares. Continuando, teremos a silhueta do pico Giewont em frente. Segue-se depois uma longa descida, primeiro na cumeada, depois pela floresta, até Zakopane, após 7 horas de caminhada.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 8Trekking PN Tatras (Polónia)

Hoje espera-nos o dia mais forte de toda a viagem, com a subida ao lago Morski Oko, o maior desta cadeia montanhosa e absolutamente esplendoroso. Serão 7 a 8 horas a pé pelos trilhos, mas em que a paisagem é de tirar a respiração! Percorremos também o vale Dolina Pieciu Stawów. À tarde regressamos a Zakopane, onde poderemos deambular pelas ruas do centro a pé e jantar ao som de música tradicional góralska! 

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 9Rio Dunajec e Trekking PN Pieniny

Deixamos os Tatras para rumarmos ao Parque Nacional Pieniny. A paisagem é agora suave, com campos cultivados entrecortados por densas florestas onde o cheiro a erva fresca nos acompanha. Com um pouco de sorte, podemos ter um vislumbre do estilo de vida profundamente rural que estas populações ainda mantêm. O parque é atravessado pelo rio Dunajec, por onde vamos navegar a bordo de jangadas artesanais constituídas por pequenas canoas amarradas entre si. O rio leva-nos ao início do trekking. Já a pé, subimos em densa floresta a encosta empinada ao longo da margem escarpada do rio, de onde vemos o curso de água, aos poucos, ficar cada vez mais abaixo. A caminhada de hoje tem duração de 2 a 3 horas. No final do dia despedimo-nos do trekking e das montanhas dos Cárpatos e regressamos a Cracóvia.



Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 10Cracóvia


Agora que terminamos as nossas incursões pelas montanhas, dedicamos este dia a conhecer as ruas da cidade imperial. Da encosta do castelo Wawel, onde a lenda diz ter vivido um feroz dragão, descemos às artérias principais, até chegarmos à Praça do Mercado Central, guardada pelas duas torres assimétricas da igreja de Santa Maria. O charme da arquitetura centro-europeia é inegável e as belas feições eslavas dos transeuntes relembram-nos que estamos numa Europa diferente. À noite, percorremos as ruas do bairro judeu de Cracóvia, hoje o epicentro da cena cultural e artística da cidade, onde abundam bares, restaurantes e esplanadas boémias, onde o tempo passa devagar.



Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 11Cracóvia e Voo de Regresso

Se o horário do seu voo o permitir pode ainda fazer um último passeio pelas ruas da cidade. Depois será tempo de se despedir do António, que o vai levar ao aeroporto de Cracóvia, João Paulo II, de acordo com o horário do seu voo.



Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: _

Inclui:

Alojamento durante todo o programa
7 pequenos-almoços

Transportes locais

Entradas nos parques naturais

Acompanhamento de líder Nomad durante toda a viagem

Transferes de aeroporto (dentro das datas do programa)

Exclui:

Voos internacionais

Alimentação (cerca de 20€/ dia)

Entradas em museus e monumentos (cerca de 30€)
Visitas não especificadas

Atividades extra

Extras pessoais como bebidas, telefone, etc

Seguro pessoal

Perguntas Frequentes

  • Para fazer esta viagem preciso de visto?


    Quer a Polónia, quer a Eslováquia são estados membros da União Europeia pelo que os cidadãos portugueses não precisam de vistos para esta viagem.

  • Como são os alojamentos durante esta viagem?

    Nesta viagem dormimos sempre em hotéis. São 5 alojamentos diferentes distribuídos entre a Polónia e a Eslováquia, nas proximidades dos locais onde realizamos os trekkings. Conte que os standards de alojamento nestes países são ligeiramente inferiores aos de Portugal, sobretudo fora das grandes cidades.
    Alguns têm acesso à internet, mas sobretudo nos mais remotos essa opção poderá não estar disponível. Os quartos têm duas ou três camas e casa de banho privativa, com poliban/banheira. 

  • Como são os trekkings da viagem?

    Esta viagem tem sete dias de trekkings, alguns de dia inteiro (6 a 8 horas de tempo total) e outros de meio dia (3 a 4 horas). Para cada trekking só terá de levar consigo uma mochila pequena com os objetos para o dia. A sua bagagem principal ficará no alojamento ou na carrinha em que nos deslocamos entre as várias regiões da viagem. 
O grau de dificuldade é moderado. Os trilhos estão ao alcance de todas as pessoas ativas, habituadas a caminhar regularmente. No geral não há nenhuma dificuldade técnica, com exceção de um dos dias no PN Cingov, cujo trilho que fazemos envolve alguns passadiços e escadarias de madeira e ferro já com várias décadas de uso. Estão em bom estado de conservação, mas nalguns pontos são expostos, pelo que este dia é desaconselhado a pessoas com medo de alturas.

  • Se pretender chegar a Cracóvia uns dias mais cedo posso reservar convosco o alojamento? E se pretender ficar mais dias em Cracóvia no fim da viagem?


    Se pretender chegar a Cracóvia um ou mais dias antes da data de início da viagem podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos na viagem. No entanto, isso estará sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faça o pedido assim que saiba as datas da sua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-lhe a informação de preço e disponibilidade. Da mesma forma, podemos reservar para si noites extra neste mesmo alojamento em Cracóvia, no final da viagem.

  • Visitamos Auschwitz na viagem?

    Não. Sendo esta uma viagem de trekking a visita a Auschwitz não está prevista. Se desejar visitar o antigo campo de concentração, poderá ficar mais um dia em Cracóvia (podemos reservar-lhe alojamento para essa noite no mesmo hotel). Há diversas visitas guiadas diárias a partir de Cracóvia e é muito fácil reservar localmente. Durante a viagem, o António pode dar-lhe a sugestão de um operador local fiável para efetuar a sua reserva.   

  • Podem reservar-me os voos internacionais?

    Sim, pode tratar de todos os seus voos com a nossa agência. O voo não está incluído no preço da viagem para que possa ter a flexibilidade de escolher onde quer comprar o voo e de onde quer partir.

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tem a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais lhe agradar.

  • Se os voos são marcados de forma individual, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    Quer marque o voo por si ou através de nós, e independentemente do seu ponto de partida, nós ficaremos com os seus detalhes de voo para que possamos passá-los ao Líder Nomad. Desta forma, ele estará à sua espera no aeroporto para o levar para junto do resto do grupo.

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Sim, maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho. E não tem que pagar qualquer suplemento por isso. 

  • Com quem irei partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • Esta viagem exige cuidados de saúde especiais?

    A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina (https://www.consultadoviajante.com) como meio preferencial para o seu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projecto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. A consulta deverá ser feita com um mínimo de 1 mês da data de partida para a viagem.

Resumo de viagem

Destinos

Polónia, Eslováquia

Atividades

Trekking

Dormida

Hotel - 10 noites

Transportes

Carrinha, Jangada, Teleférico

Reservas

Min: 6 | Max: 12

Voo não incluído

Valor indicativo: 300€

Testemunhos

Adorei a viagem, os locais que visitei e o conceito da vossa agência. Não posso deixar de elogiar o líder António Luis Campos que é excecional. A disponibilidade, a capacidade de liderança e principalmente a boa disposição do António é contagiante. Obrigada à equipa por me proporcionar viagens inesquecíveis. Parabéns e continuem.....
Ana S.
Tudo perfeito.
Isabel B.
Gostei de tudo: o encanto das cidades, a beleza natural, e claro, o bom convívio que faz parte do espírito Nomad!
Olga S.