Travessia dos Picos de Europa

Com Tiago Costa 09 a 15 ago 2020

Nos imponentes maciços calcários do Parque Nacional dos Picos de Europa, coabitam intocáveis ecossistemas de alta montanha e bosque. Em plena Cordilheira Cantábrica, o clima húmido, fruto da proximidade ao Atlântico, acolhe uma biodiversidade única nas surpreendentes paisagens montanhosas e nos prados infinitamente verdes.

Nesta viagem de trekking pelo Urielles, percorremos a pé trilhos acima das nuvens e encontramos um viva tradição pastorícia, em aldeias de pedra e prados. Uma travessia acessível a todos os que gostam de caminhar, marcada pela subida ao Collado Jermoso, um dos pontos mais remotos dos Picos, que te recompensa com uma paisagem avassaladora.

  • Impacto cultural
    Região com costumes muito semelhantes aos que estás habituado.
  • Esforço físico
    Caminhadas de, em média, sete horas por dia em ambiente de montanha com a mochila às costas (10 kg no máximo).
  • Nível de conforto
    Dormimos em albergues e refúgios de montanha, com camaratas mistas e casas de banho partilhadas. Nas duas noites passadas em refúgios não há acesso a duche.

09 a 15 ago 2020

720 €7 Dias

Outras datas disponíveis:

Número de viajantes

720€ por viajante

Percurso

Dia 1Chegada a Potes

O primeiro dia está reservado para a tua viagem entre Portugal e o Parque Nacional dos Picos de Europa, onde te esperará o Tiago, o líder deste percurso. Esta deslocação é da responsabilidade de cada viajante, mas podes contactar-nos caso tenhas interesse em partilhar transporte - vê mais detalhes sobre isto nas Perguntas Frequentes. Depois de te instalares no acolhedor albergue de Baro, a cerca de 6 km de Potes, o Tiago vai ajudar-te a preparar a mochila que levarás durante o trekking, para garantir que selecionas apenas o material estritamente necessário.

Alimentação: Jantar
Dormida: Albergue

Dia 2Trekking Naranjo de Bulnes

É o dia de começo da travessia. De manhã, subimos de teleférico até ao ponto inicial do trekking. O verde dos bosques dá lugar a uma zona montanhosa mais austera. Os primeiros passos desta aventura percorrem um trilho rodeado por cumes vertiginosos e uma inóspita paisagem de montanha. O dia é passado nos contrafortes desses cumes, para atravessarmos então o coração do maciço central, o Urielles. Terminamos no refúgio do Naranjo de Bulnes, também conhecido por Urriellu, onde podemos observar os escaladores na famosa parede oeste, com mais de 500 metros verticais.


Distância: 9 km (5 a 6 horas)
Desnível: 660 m positivo + 550 m negativo

Alimentação: Pequeno-almoço e jantar
Dormida: Refúgio

Dia 3Trekking Bulnes

Após o pequeno-almoço, retomamos o percurso, agora em direção a uma paisagem mais verdejante. Vamos perdendo altura e entrando nos vales, por entre bosques e prados de pasto. Os monólitos de rocha dão lugar a um cenário mais verde, feito de bosques e prados de pasto. Bulnes é a mais isolada aldeia dos Picos de Europa que, não tendo acesso por carro, conserva um pitoresco ambiente de montanha. Lá, seremos recebidos num pequeno café local pelo Alberto e o seu filho David, que nos dão a provar um delicioso chorizo a la sidra, acompanhados de queijo cabrales e um copo de sidra. 


Distância: 9 km (5 a 6 horas) 
Desnível: 67 m positivo + 1300 m negativo

Alimentação: Pequeno-almoço e jantar
Dormida: Albergue

Dia 4Trekking Garganta do Cares

Este é o trilho mais singular de toda a travessia e não é por acaso que se tornou no trajeto mais visitado dos Picos de Europa. Talhado na falésia ao longo do rio Cares, as vistas sobre o vale são únicas, sendo um dia de trekking completamente diferente dos restantes. Vais terminar esta incrível caminhada numa pequena aldeia de montanha, Caín, esta já menos isolada, tendo acesso por carro e outras comodidades, como uma cafetaria e mercearia. 


Distância: 15 km (5 a 6 horas)
Desnível: 350 m positivo + 400 m negativo

Alimentação: Pequeno-almoço e jantar
Dormida: Albergue

Dia 5Trekking Collado Jermoso

Depois de dois dias entre os vales, voltamos a subir a uma paisagem alpina. Este é o ponto alto da travessia, e também o momento que requer mais esforço. O caminho íngreme leva-nos a um dos locais mais remotos dos Picos de Europa, fora das rotas mais frequentadas, o que nos coloca num contacto mais profundo com a montanha. Conquistamos a exigente subida, que nos recompensa com um local de beleza lendária e nos dá o privilégio de assistir a um pôr do sol magnífico, com as luzes das aldeias aos nossos pés.


Distância: 5 km (6 a 8 horas)
Desnível: 1089 m positivo + 40 m negativo

Alimentação: Pequeno-almoço e jantar
Dormida: Refúgio

Dia 6Trekking Fuente Dé

É o último dia de trekking, que nos levará de volta ao ponto inicial, Fuente Dé. É uma longa e desafiante descida, por entre agulhas de rocha e prados alpinos. À medida que o percurso se aproxima do fim, sentes a satisfação de te teres superado e percorrido os impressionantes trilhos dos Picos.  


Distância: 9 km (4 a 5 horas)
Desnível: 281 m positivo + 1090 m negativo

Alimentação: Pequeno-almoço e jantar
Dormida: Albergue

Dia 7Potes

De volta a Potes, agora com a travessia completa, a viagem chega ao fim depois do último pequeno-almoço em grupo. Tal como no primeiro dia, cada viajante é responsável pelo regresso a Portugal, agora com a tranquilidade das montanhas bem presente na memória.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: -

Inclui:

Acompanhamento do líder Nomad durante toda a viagem
Alojamento durante todo o programa
Percurso de teleférico e jipe
6 pequenos-almoços e 6 jantares

Exclui:

Viagem até ao ponto de partida
Alimentação não especificada
Seguro pessoal
Extras pessoais

Perguntas Frequentes

  • Qual a melhor forma de chegar até aos Picos de Europa?

    A viagem até ao ponto de encontro é da responsabilidade de cada participante, mas a Nomad incentiva a partilha de transporte. Por isso, se estiveres interessado nesta opção, fala  connosco para te pormos em contacto com outros viajantes. Os transportes públicos para Potes são muito limitados e as ligações com Portugal são reduzidas.

  • Se quiser chegar uns dias mais cedo, posso reservar convosco o alojamento? E se quiser ficar mais dias no fim da viagem?

    Se quiseres chegar aos Picos de Europa um ou mais dias antes da data de início da viagem, podemos reservar-te noites extra no mesmo alojamento dos dias de viagem. No entanto, isso estará sujeito à disponibilidade do local, pelo que sugerimos que nos faças o pedido assim que saibas as datas da tua viagem. A nossa equipa de atendimento pode dar-te as informações de preço e disponibilidade. Da mesma forma, podemos reservar-te noites extra caso queiras ficar após a data de fim da viagem.

  • Como são os alojamentos durante a viagem?

    Para este trekking, recorremos a uma rede de albergues e refúgios de montanha. A maioria das noites serão passadas em camaratas mistas, com casas de banho partilhadas. A única exceção é o albergue de Cordinanes, onde pernoitamos em quartos duplos, com casas de banho privada. Nos refúgios de montanha, onde passarás duas noites, não há acesso a duche.

  • Como é a alimentação durante a viagem?

    Durante os trekkings, fazemos piqueniques ao almoço. É fundamental que leves toda a alimentação desde Portugal, já que não há sítios onde comprar comida, antes ou durante o trekking. Se te inscreveres na viagem, receberás mais detalhes sobre os alimentos mais adequados para levar. Os jantares e pequenos-almoços serão nos refúgios e estão incluídos no programa. 

  • Como vou gerir o dinheiro durante a viagem?

    A moeda utilizada é o euro e, após o início do trekking, só poderás fazer pagamentos em dinheiro. Aconselhamos-te a levar de Portugal o dinheiro necessário para a viagem: entre 50€ e 70€ para eventuais despesas, como alimentação extra nos refúgios. 

  • Como é o acesso à eletricidade durante a viagem?

    Existe sempre acesso a eletricidade em todos os alojamentos da viagem, mas nos refúgios de montanha será mais limitado. A rede de telemóvel é muito precária, mas há cobertura nos dias 3, 4 e 5 do programa. No início e fim do trekking, tens acesso à internet. Durante os dias passados na montanha, poderás ter wi-fi apenas em Cordinanes. 

  • Como são os transportes durante a viagem?

    Esta viagem é um trekking de vários dias, em contínuo, de refúgio em refúgio. No entanto, para iniciar o percurso no segundo dia do programa, fazemos uma viagem de teleférico, que nos permite ganhar altitude e arrancar já num ambiente de montanha. No final do quarto dia, vamos de jipe até ao alojamento dessa noite, num percurso que dura cerca de uma hora. No dia seguinte de manhã, retomamos o trekking.

  • Como é o clima durante a viagem?

    A cadeia montanhosa dos Picos de Europa separa a costa húmida do norte das Astúrias dos planaltos secos do interior espanhol, por isso a região é afetada tanto por um clima marítimo como continental. A amplitude térmica poderá ser muito grande. Durante o dia, as temperaturas podem aproximar-se dos 30ºC e nas regiões montanhosas mais elevadas podem rondar os 0ºC, nas noites mais frias. A meteorologia em montanha é imprevisível, e mesmo no verão a possibilidade de chuva e baixas temperaturas é real, pelo que ter calçado e vestuário de montanha efetivamente impermeável e de boa qualidade é fundamental.

  • Esta viagem é fisicamente exigente?

    Esta viagem está ao alcance de todos os que gostem de caminhar em ambiente de montanha durante vários dias. Nos dias de trekking, conta com sete horas de caminhada por dia, a um ritmo lento e passo tranquilo. Os trilhos não requerem conhecimento técnico mas, para quem não tenha um estilo de vida ativo, esta poderá ser uma viagem fisicamente exigente.

  • Não tenho experiência de trekking. Esta viagem é para mim?

    Este trekking não tem exigência técnica. Pode dizer-se que está ao alcance de todos os que gostem de caminhar e estejam motivados para passar cinco dias de mochila às costas, em ambiente de montanha. Em alguns momentos, vai ser mais exigente e terás que ter alguma perseverança mas, no geral, os dias são descontraídos e tranquilos.

  • Quantos quilómetros caminhamos por dia?

    Em montanha, as distâncias não são medidas em quilómetros, mas sim em horas. Isto porque, devido ao tipo de terreno e desnível, podemos demorar horas a percorrer poucos quilómetros. Neste trekking, caminhamos em média sete horas por dia – isto quer dizer que, num dia normal, começamos a caminhar às 10h e terminamos a meio da tarde, às 17h.

  • O ritmo de caminhada é muito elevado?

    Não. O ritmo é ajustado às necessidades do grupo, com muitas paragens ao longo do dia. A distância dos itinerários escolhidos para cada dia dá-nos a possibilidade de fazê-los com calma, para podermos aproveitar ao máximo a paisagem envolvente. 

  • Como calculamos o tempo de caminhada?

    As viagens de trekking da Nomad são desenhadas para o viajante que procura desfrutar do meio natural. O tempo de caminhada referido no programa é calculado tendo em conta um ritmo tranquilo, incluindo paragem para refeições ou simplesmente para desfrutar da paisagem.

  • Esta viagem exige cuidados de saúde especiais?

    A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina como meio preferencial para o teu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projeto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. A consulta deverá ser feita com um mínimo de um mês da data de partida para a viagem.

  • Com quem vou partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tens a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais te agradar.

  • Se a chegada é da responsabilidade de cada um, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    Independentemente do dia ou hora de chegada, os viajantes devem estar no ponto de encontro à hora marcada. Vamos dar-te essa informação atempadamente e o líder Nomad estará lá para reunir o grupo. 

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Podes. A maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho, sem qualquer alteração ao preço.

Resumo de viagem

Destinos

Espanha

Atividades

Trekking

Dormida

Albergue: 4 noites, Refúgio: 2 noites

Transportes

Jipe, Teleférico

Reservas

Min: 4 | Max: 10

Testemunhos

Não é somente uma viagem, é uma experiência. Somos convidados a ultrapassar os nossos limites, a conhecermo-nos melhor a lidar com situações que não fazem parte do nosso quotidiano
Paulo A.
Foi um desafio totalmente superado, com paisagens idílicas e uma companhia 5 estrelas. Muito obrigada.
Inês T.
A superação física e mental e o alcance de paisagens de uma beleza esmagadora e de um silêncio absoluto, foi absolutamente transformador na minha vida
Ana F.