Rota da Seda

Com Pedro Elias 17 jun a 04 jul 2018

Durante milénios, os chineses dominaram o fabrico da seda e usavam-na como produto exclusivo da sua sociedade. Mas começaram a chegar à Europa rumores desse tecido suave e brilhante. Foi o início de uma rota mítica de caravanas que, atravessando a Ásia, abastecia a Europa do seu novo “desejo".

Esta viagem percorre os caminhos das caravanas de camelos que atravessavam o deserto, as montanhas e cruzavam os rios para trazer a seda de Xian, na China, para o Ocidente. Seguimos os passos de muitos mercadores europeus que se aventuraram no Extremo Oriente, entre eles Marco Pólo. Ao longo desta viagem conhecemos cidades e mercados perdidos na Rota da Seda da China, a realidade das comunidades rurais das montanhas do Quirguistão e as maravilhas arquitetónicas no Uzbequistão.

  • Impacto cultural
    Região de mercadores e nómadas, marcada pela hospitalidade da Ásia Central. Encontrará povos distintos entre si e com costumes bastante diferentes do que está habituado.
  • Esforço físico
    Viagem com pouca atividade fisica para além de pequenas caminhadas e deslocações a pé nas cidades. Uma das passagens de fronteira requer uma caminhada de cerca de uma hora.
  • Nível de conforto
    Alojamentos simples, mas asseados. Dormimos 3 noites em comboio e 1 numa yurt. Dois dos percursos de comboio têm mais de 18 horas e temos várias deslocações em transportes públicos.

17 jun a 04 jul 2018

1780 €18 Dias
Voo não incluído.  Valor indicativo: 1100€

Outras datas disponíveis:

Número de viajantes

1780€ por viajante

Percurso

Dia 1Chegada a Xian (China)

O Pedro vai estar à sua espera no aeroporto Xianyangem, em Xian para lhe dar as boas-vindas à China. Mediante a hora de chegada do seu voo, poderá ainda ter tempo para dar uma primeira volta pelas ruas da cidade ou um passeio junto às muralhas.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 2 Xian

O dia de hoje começa com a visita ao famoso exército de terracota, património mundial da Unesco, um dos ex-libris do antigo império chinês, e túmulo do primeiro imperador da China unificada. Teremos ainda tempo para um passeio na Rua Shuyuanmen, um dos lugares com maior herança cultural de Xian, e de visitar a grande mesquita, um oásis de tranquilidade no centro da animada cidade. Ao final da tarde, passamos ainda pelo bazar muçulmano, a alma da Rota da Seda. Este era o ponto de partida e chegada das caravanas de camelos carregadas de produtos do ocidente e será o ínicio para a nossa Rota da Seda.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 3Comboio para Dunhuang

Durante a manhã apanhamos o comboio que nos vai levar até Dunhuang. Esperam-nos 24 horas de viagem, um percurso de 1700 km pelo interior da China, rumo a ocidente. Será um dia ideal para relaxar, ler um livro e partilhar histórias com o grupo. Deixe-se também envolver com a população local e aprenda algumas palavras de mandarim a bordo do comboio.

Alimentação: -
Dormida: Comboio

Dia 4Dunhuang

O comboio deixa-nos em Dunhuang a meio da manhã. Um bom café vai revigorar-nos após tanto tempo sobre carris. Dunhuang é uma pequena cidade na orla do deserto de Taklamakan. Durante séculos, foi um dos primeiros pontos de troca encontrados por comerciantes que chegavam à China do oeste. Foi também um importante centro de atividade religiosa budista e popular destino de peregrinos, para além de atuar como cidade de guarnição, protegendo toda a região. Passamos o dia a conhecer as suas ruas e a passear na areia das dunas do deserto de Taklamakan, outrora cenário de muitas travessias inglórias na Rota da Seda. O Taklamakan é um deserto frio, um dos maiores do mundo, onde, nos invernos mais rigorosos, a neve cobre frequentemente as areias das dunas do deserto. À noite, exploramos o mercado noturno, cheio de vida e delícias gastronómicas.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 5Dunhuang e Comboio para Turpan

Iniciamos o dia com uma visita às grutas Mogao, o maior conjunto de arte budista do mundo. O lugar é inesquecível! Em Mogao encontram-se 492 santuários em cavernas, exibindo belas pinturas murais e impressionantes representações de Buda com mais de 30 metros de altura. Ao final da tarde, apanhamos o comboio para Turpan.

Alimentação: -
Dormida: Comboio

Dia 6Turpan

Chegamos de madrugada a uma localidade a cerca de uma hora de Turpan. Aí, apanhamos um táxi local para o nosso destino. Turpan é uma cidade oásis lendária na parte norte da Rota da Seda, localizada na bacia de Turpan, a terceira maior depressão do planeta, a 154 m abaixo do nível do mar. Durante o dia e, sim, com muito calor, percorremos algumas das zonas mais antigas e bem conservadas da Rota da Seda. Iniciamos com as ruínas de Jiaohe, uma das cidades antigas e ainda preservadas do deserto de Taklamakan e património da Unesco. Depois, visitamos o sistema de Karez, um engenhoso sistema de irrigação milenar que permitiu a criação de campos verdejantes na orla do deserto. Da parte da tarde, vamos percorrer as vinhas de Turpan, visitar o minarete de Emin e a mesquita. À noite, espreitamos o animado bazar noturno e jantamos por lá.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 7Turpan e Comboio para Kashgar

Pela manhã, antes de voltarmos a seguir viagem de comboio, visitamos o museu da cidade, que nos vai ajudar a compreender toda a história da região e a sua importância na Rota da Seda. Depois, vamos ao bazar comprar as famosas passas de Turpan para termos um snack para o comboio.
Seguimos para oeste, com destino a Kashgar. Grande parte do dia será passado no comboio, numa viagem de 18 horas, que atravessa a província de Xinjiang até chegar ao nosso destino no dia seguinte. Lembre-se que, em 1940 os viajantes demoravam 40 dias para empreender esta travessia. Hoje, as distâncias parecem mais curtas mas atravessamos neste dia um troço de 1400 km em torno do deserto de Taklamakan.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Comboio

Dia 8Kashgar

O comboio chega cedo a Kashgar. A cidade assume-se como o berço da Rota da Seda. Aqui encontravam-se cazaques, urdus, tajiques, quirguizes e indianos que percorriam as diferentes rotas comerciais. Os produtos eram transacionados nos bazares e nas ruas que depressa se tornaram autênticos centros comerciais. A cidade de Kashgar floresceu nos últimos anos sendo a presença dos chineses han cada vez maior, transformando-se hoje numa capital moderna da Rota da Seda. Fazemos questão de fugir deste mundo incaracterístico e vamos dedicar o nosso tempo a explorar os mercados e bazares, nomeadamente o maior mercado de gado do mundo, na parte oeste da cidade. Aqui, poderá regatear camelos e iaques e, quem sabe, “preparar” a sua caravana para uma próxima viagem. Depois, exploramos o bairro muçulmano e as ruelas da cidade velha uigur, composta por diversos edifícios de adobe, mesquitas, pagodes e pequenos bazares de especiarias e chapéus, e temos tempo ainda para visitar o grande bazar, o maior da Ásia Central.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 9Estrada de Karakorum e Tashkurgan

Saímos de Kashgar com destino a Tashkurgan. Percorremos a mítica estrada de Karakorum a caminho do Paquistão, na companhia das montanhas Pamir e, vislumbrando a cordilheira de Hindukush, até Tashkurgan. No caminho, paramos junto ao lago Karakul, onde somos recebidos para almoço por uma família local na sua yurt. Antes de continuar, descansamos um pouco neste ambiente rural e inóspito, que representa a normalidade da vida nesta região. Em Tashkurgan, antes de anoitecer, temos ainda tempo para visitar o forte da cidade, que durante séculos serviu de ponto de passagem e controlo das caravanas de comerciantes e por onde passou também Marco Polo nas suas viagens.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 10Kashgar

O dia de hoje começa cedo. Visitamos as pastagens de altitude de Tashkurgan, o vale verde salpicado por yurts habitadas pelas últimas famílias nómadas da região, e fazemo-nos à estrada que nos leva de regresso a Kashgar. À chegada visitamos o mausoléu Aba Khoja, o sítio muçulmano mais sagrado na província de Xinjiang. À noite, a cidade velha enche-se de tendas de comidas e é para lá que nos dirigimos ao jantar.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 11Sarytash (entrada no Quirguistão)

Acordamos novamente cedo para fazer uma das passagens mais míticas e difíceis da Rota da Seda - a Passagem de Irkeshtam. Vamos estar o dia todo em viagem, atravessando paisagens deslumbrantes e, apesar da travessia ser exigente, continuamos acompanhados por uma das cordilheiras montanhosas mais bonitas do mundo: as Pamir. Lembre-se, no passado este era um dos passos mais complicados de atravessar na Rota da Seda. A passagem fronteiriça é, também ela, dura e requer esforço físico e determinação. Apesar dos já muitos quilómetros percorridos, será a primeira travessia de fronteira da nossa Rota da Seda. Mas também a mais burocrática e exigente, uma aventura inerente a este percurso. Prepare-se para acrescentar adrenalina a esta viagem! Depois de passar a fronteira estamos no Quirguistão, um país culturalmente muito distinto do anterior. Dê algum tempo a si próprio para o processo interior de adaptação a uma nova cultura. Chegamos à pequena aldeia de Sarytash ao entardecer. Dormimos numa yurt, integrada na própria aldeia, onde as yurts coexistem entre as casas, e vamos adaptar-nos ao calmo modo de vida rural quirguiz.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Yurt

Dia 12Estrada das Pamir e Osh

Depois de um bom pequeno almoço, partimos para Osh, ao longo da Estrada das Pamir. No percurso vamos usufruir de uma das paisagens de montanha mais belas da Rota da Seda e da observação da simplicidade da vida nómada do Quirguistão. Osh tem um dos bazares mais movimentados da Rota da Seda. O regatear dos produtos é constante e iremos, também nós, entrar neste jogo. O bazar de Osh tem fama de ser mais antigo do que Roma. Será? Vamos também descobrir a pequena cidade, os seus parques e até a imponente estátua de Lenine, uma das últimas que ainda sobrevive, uma memória da antiga União Soviética, da qual o Quirguistão fez parte.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 13Tashkent (entrada no Uzbequistão)

De manhã arrancamos em taxis até à fronteira com o Uzbequistão, a poucos minutos de distância. A passagem fronteiriça costuma ser tranquila e relativamente rápida. Da fronteira, continuamos noutros táxis até Andijan, uma cidade fora dos mapas turísticos e onde encontraremos, sem dúvida, das pessoas mais simpáticas e acolhedoras da nossa epopeia. À tarde, seguimos de comboio para a capital, Tashkent. Pelo caminho, atravessamos o fértil vale de Fergana, uma área conturbada em termos políticos, mas que nos proporciona belas paisagens que contemplarmos da janela do comboio. Chegamos a Tashkent já à noite e deixamos a sua visita para o dia seguinte.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 14Tashkent e Samarcanda

A capital do Uzbequistão vive entre a modernidade e a herança ancestral que ainda conserva em alguns edifícios da zona histórica que resistiram a um forte terramoto em 1966. Vamos conhecer o grande bazar e deslocamo-nos de metro pela cidade, o mais antigo da Ásia Central e uma lembrança viva da antiga URSS, com as estações entre as mais ornamentadas no mundo. Não teremos muito tempo para explorar o resto da cidade, pois queremos chegar a Samarcanda, lugar ainda mais cativante. Ao início da tarde seguimos de táxis até essa mítica e ancestral cidade da Ásia Central - paragem obrigatória na Rota da Seda. Em Samarcanda, maravilhe-se com as madraças e os mausoléus de “Registan”, provavelmente dos mais maravilhosos da toda a Ásia.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 15Samarcanda

Novamente pelas ruas da cidade, exploramos agora novos recantos e espreitamos os mausoléus desta pérola do mundo islâmico. O bazar de Samarcanda é um dos melhores lugares da Ásia Central para fazer compras de especiarias e testemunhar o espírito da Rota da Seda.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 16Samarcanda e Bucara

Ao final da manhã, apanhamos o último comboio da viagem. O nosso destino é Bucara, cidade santa, carregada de história e rica em fascinantes monumentos de arquitetura islâmica. Prepare-se para ficar novamente deslumbrado com as madraças, mausoléus e mesquitas do séc. XV.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 17Bucara

A nossa Rota da Seda está a chegar ao fim. Continuamos a visita à cidade sagrada mais importante da Ásia Central, que nos reserva várias surpresas, como a magnífica praça Lyabi-Hauz, o minarete de Kalon e a Arca. Em jeito de despedida fazemos uma última visita ao bazar, após uma jornada de 5000 quilómetros em que cruzamos desertos, montanhas, ruínas lendárias, cidades imperiais e muitas aventuras.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 18Bucara e Voo de Regresso

De acordo com o horário do seu voo, o Pedro vai levá-lo ao aeroporto para o seu voo de regresso. Fim dos nossos serviços.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: -

Inclui:

Alojamento durante toda a viagem
11 pequenos-almoços
Transportes locais
Acompanhamento de líder Nomad durante toda a viagem
Transferes de aeroporto (dentro das datas do programa)

Exclui:

Voos internacionais
Alimentação (cerca de 20€/dia)
Entradas em monumentos no Uzbequistão (35€ aprox)
Entradas em monumentos na China (60€ aprox)
Actividades extra
Extras pessoais como bebidas, telefone, etc
Vistos
Seguro pessoal

Perguntas Frequentes

  • Para fazer esta viagem preciso de visto?

    Para embarcar nesta aventura necessitará de dois vistos (Uzbequistão e China). Desde Junho de 2012 que os cidadãos da União Europeia não necessitam de visto para entrar o Quirguistão. A Nomad recomenda a Visateam (http://www.visateam.pt) para o apoio ao pedido dos vistos de que necessita para esta viagem. A Visateam é parceira Nomad desde a sua fundação tendo dado provas de profissionalismo e confiança. Os seus especialistas conhecem bem as nossas viagens e estão completamente aptos para ajudá-lo em todo o processo de pedido de visto, quer por telefone/mail, quer presencialmente, nas suas instalações de Lisboa e Porto.

  • Como são os alojamentos durante esta viagem?

    O tipo e a variedade das acomodações utilizadas nesta viagem são sempre determinados pelas condições de cada um dos países e pela especificidade de cada região. Nas nossas viagens não recorremos a cadeias de hotéis internacionais, privilegiando o alojamento local, especialmente central e integrado na cultura autóctone.
    Na Ásia Central, especialmente no Quirguistão e na China, estes alojamentos pecam em condições de higiene, mas ganham em autenticidade, cultura e espírito da viagem.
    O alojamento nesta viagem é baseado em quartos duplos ou triplos. As casas de banho na Ásia Central não são do mesmo padrão das que encontramos nos países ocidentais. Algumas podem não ter sanita, sendo estilo turco (buraco no chão). As condições de duches também podem ser algo precárias. Não espere mais do que um simples chuveiro. Deve levar consigo uma bolsa pessoal com todo o material que necessita para o banho (ex. champô, sabonete, toalha, etc.).
    Três das noites na China são passadas em comboio. Temos camas individuais, em compartimentos abertos de 4 ou 6 pessoas. As restantes são em hotel. Os hotéis da China podem ter poucas condições de higiene, alguma deficiência em termos de limpeza e as casas de banho são partilhadas em vários deles.
    No Quirguistão passamos uma noite em hotel e uma noite a dormir numa yurt. Todos os viajantes dormem juntos no chão (com colchões) da yurt. Aqui não há lugar para tomar banho, apenas um garrafão de água para fazer a higiene pessoal mínima. A casa de banho é coletiva e consiste num buraco no chão. Podem não estar assegurados quartos duplos com casa de banho privada no hotel. Sempre que tal ocorrer, será necessário partilhar casas de banho colectivas.
    No Uzbequistão, em Samarcanda e Bucara, as condições de higiene são boas e os alojamentos confortáveis. Em Tashkent, o alojamento é mais simples e as condições de higiene menos boas. Podem não estar assegurados quartos duplos com casa de banho privativa. Sempre que tal ocorrer, será necessário partilhar casas de banho coletivas.

  • Podem reservar-me os voos internacionais?

    Sim, pode tratar de todos os seus voos com a nossa agência. O voo não está incluído no preço da viagem para que possa ter a flexibilidade de escolher onde quer comprar o voo e de onde quer partir.

  • Se pretender chegar a Xian uns dias mais cedo posso reservar convosco o alojamento? E se pretender ficar mais dias em Bucara no fim da viagem?

    Se pretender chegar a Xian um ou mais dias antes da data de início da viagem podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos na viagem. No entanto, isso estará sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faça o pedido assim que saiba as datas da sua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-lhe a informação de preço e disponibilidade. Da mesma forma, podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos em Bucara, no final da viagem.

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tem a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais lhe agradar.

  • Se os voos são marcados de forma individual, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    Quer marque o voo por si ou através de nós, e independentemente do seu ponto de partida, nós ficaremos com os seus detalhes de voo para que possamos passá-los ao Líder Nomad. Desta forma, ele estará à sua espera no aeroporto para o levar para junto do resto do grupo.

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Sim, maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho. E não tem que pagar qualquer suplemento por isso. 

  • Com quem irei partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • Esta viagem exige cuidados de saúde especiais?

    A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina (https://www.consultadoviajante.com) como meio preferencial para o seu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projecto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. A consulta deverá ser feita com um mínimo de 1 mês da data de partida para a viagem.

Resumo de viagem

Destinos

Uzbequistão, Quirguistão, China

Atividades

Descoberta cultural

Dormida

Hotel - 13 noites, Yurt - 1 noite, Comboio - 3 noites

Transportes

Comboio, Carrinha, Táxi

Reservas

Min: 6 | Max: 10

Voo não incluído

Valor indicativo: 1100€

Testemunhos

Foi uma aventura fantástica, por terras e culturas fascinantes, onde o ritmo das descobertas é alucinante!
Teresa N.
As minhas expectativas eram altas e foram superadas. Mais uma vez, a Nomad proporcionou-me momentos únicos e levou-me a locais de sonho.
Helena A.
Decididamente, no conjunto, para mim restrito, do que considero "viagens de vida".
Rosário F.