Cancelada

Petra e o Deserto de Wadi Rum

27 dez 2020 a 03 jan 2021

No sul da Jordânia, encontra-se a misteriosa cidade de Petra, uma das maravilhas do mundo moderno. É também ali que o deserto de Wadi Rum se estende a perder de vista: apelidado de Grand Canyon do Médio Oriente, é o lugar a que o hospitaleiro povo beduíno chama de casa.

Percorremos a ancestral estrada do rei por onde, durante séculos, viajaram milhares de caravanas de camelos. O destino é a escultural e imponente Petra, escavada na rocha pelo povo Nabateu e posteriormente ocupada pelos romanos. Deixamo-nos surpreender pela paisagem de um dos mais cénicos desertos do mundo: o Wadi Rum. Na companhia do povo beduíno, vivemos as rotinas próprias do deserto e dormimos sob um impressionante manto estrelado. A experiência culmina com um banho no Mar Morto, o ponto mais baixo do planeta.

  • Impacto cultural
    País muçulmano, onde a arte de regatear está enraizada na população. Encontras um povo simpático e disponível.
  • Esforço físico
    Algumas caminhadas por terrenos pedregosos e irregulares podem exigir mais esforço.
  • Nível de conforto
    Alojamentos simples, mas asseados. Pernoitamos quatro noites em acampamento.

27 dez 2020 a 03 jan 2021

1450 €8 Dias
Voo não incluído.  Valor indicativo: 550€

Número de viajantes

1450€ por viajante

Percurso

Dia 1Chegada a Amã

Amã é uma das mais antigas cidades continuamente habitadas do mundo, remontando a 8500 a.C. A capital da Jordânia é rodeada por sete colinas conhecidas por Jabal, que te oferecem vários locais para observar a cidade. 

À chegada ao aeroporto Queen Alia, o aeroporto internacional de Amã, espera-te o transfer que te acompanha até ao hotel no centro da cidade. Aproveita para conhecer a área envolvente e, não sendo muçulmano, impressiona-te pelos curtos momentos de calma durante os vários momentos de oração.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 2Amã

Provavelmente, ao primeiro minuto da manhã serás despertado pela Fajr, a primeira oração muçulmana, que acorda grande parte da cidade. Amã é uma cidade vibrante, recheada de pequenos bairros comerciais onde se escondem vendedores de rua que cozinham as mais distintas iguarias. Começamos por visitar a zona da Rainbow Street e calcorreamos, num ritmo lento, a parte antiga desta cidade outrora povoada pelos romanos. Espreitamos os mercados onde podemos observar os mais velhos a jogar gamão e experimentamos o famoso café árabe, o tabaco através de um cachimbo de água e a saborosa kunafa numa das mais antigas pastelarias. 

Ao final da tarde, subimos ao miradouro junto à cidadela, e contemplamos a cidade a espraiar-se aos nossos pés ao som do chamamento do muezzin, no momento em que as mesquitas chamam os fiéis para a última oração. Para terminar o dia em que te entranhaste na cultura desta cidade, nada melhor do que espreitares um dos mais antigos bares da cidade, o Jordan Bar, e experimentar araq, uma bebida alcoólica de sabor anisado típica no Médio Oriente.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 3Estrada do Rei e Petra

Deixamos Amã para nos encaminharmos para uma das maravilhas do mundo moderno: Petra A estrada do rei, que mergulha no vale do Rift, era a antiga estrada por onde caravanas de comerciantes passavam e por onde os nabateus circulavam para chegar a Petra. É uma estrada com um cenário impressionante recheado de desfiladeiros e gargantas ladeadas por rochedos de cores alaranjadas, de onde nos vamos desviando ao longo do dia para visitar fortalezas empinadas em cima de montes como Shobak. 

Por volta da hora do almoço, chegamos à região de Petra, a nossa porta de entrada para este lugar único no mundo. Em dois dias de caminhadas, visitamos os lugares mais emblemáticos desta cidade povoada há 2000 anos. Por entre desfiladeiros, escadarias, e gargantas talhadas na pedra rosada, vamos descobrindo túmulos, palácios e montanhas sagradas outrora habitadas por nabateus, romanos, gregos e bizantinos. No final do dia, tens o privilégio único de acampar na companhia dos beduínos, com quem podes saborear um chá e uma refeição tradicional debaixo de um manto estrelado.

Alimentação: Pequeno­ almoço, almoço e jantar
Dormida: Acampamento

Dia 4Petra

Depois da primeira noite de acampamento da viagem, preparamo-nos para regressar aos trilhos do interior da antiga cidade dos nabateus. Percorrer os seus caminhos transmite-nos uma sensação indescritível. Imagina-a nos seus tempos áureos, em plena atividade, enquanto descobres os famosos edifícios, como o Teatro, o Tesouro e outras construções escavadas na rocha calcária. O Tesouro é o local mais emblemático de toda esta maravilha do mundo. Transporta-te para o imaginário aventureiro dos exploradores dos séculos passados, enquanto descobriam, como nós, o Siq, uma longa e estreita garganta que marca a entrada principal deste misterioso lugar.

Deixamos Petra a meio da tarde para rumarmos a sul. É agora tempo de comprares um keffiyeh, lenço tradicional usado pelos beduínos de Wadi Rum, e te preparares para ir dormir ao deserto. Após um par de horas de estrada, já ao final da tarde e com o sol a pôr-se no horizonte, chegamos ao deserto avermelhado de Wadi Rum, onde passamos os próximos dias.

Alimentação: Pequeno­ almoço, almoço e jantar
Dormida: Acampamento

Dia 5Wadi Rum

Wadi Rum é considerado por muitos como o deserto mais bonito do mundo. Está localizado num belo vale cravado na pedra de calcário e granito do sudoeste da Jordânia e foi já habitado por inúmeros povos desde a época pré-histórica. Ostenta formações rochosas impressionantes e inspirou muitos exploradores e escritores que o atravessaram. 

Na companhia do Salem e seus irmãos, durante os três dias que passamos em Wadi Rum, vivemos ao ritmo lento desta família de beduínos. De camelo e a pé, percorremos a região impelidos pelas suas rotinas, guardando camelos, conhecendo a sua família e apanhando algumas ervas que usam para as refeições. Tens o privilégio de cozinhar e provar o famoso pão beduíno e, durante os momentos de descanso e de convívio, aprender mais sobre estas tradições ancestrais. 

Depois de assistirmos ao pôr do sol, dirigimo-nos ao acampamento situado bem no coração do Wadi Rum, que nos alberga por esta noite. Aguarda-nos um jantar segundo as tradições beduínas, cozinhado sob a areia do deserto e enquadrado por mais um inspirador céu estrelado. Dormir uma noite na calma imensa do deserto é uma experiência de vida inesquecível.

Alimentação: Pequeno­ almoço, almoço e jantar
Dormida: Acampamento

Dia 6Wadi Rum

Acordamos num autêntico acampamento beduíno, tendo como anfitrião o hospitaleiro povo árabe do deserto. Wadi Rum, que em árabe significa vale da lua, é considerada uma das paisagens mais bonitas do mundo e a sua cor avermelhada inspirou David Lean a contar a história de T. E. Lawrence, no filme Lawrence da Arábia. 

Ao final da tarde, na calma do acampamento, aprende a escrever o teu nome em árabe, com o indicador na areia. Amanhã é altura de partirmos em direção a Madaba.

Alimentação: Pequeno­ almoço, almoço e jantar
Dormida: Acampamento

Dia 7Mar Morto e Madaba

Das terras desérticas do sul da Jordânia, partimos pela estrada do Mar Morto, rumo a norte, a caminho de Madaba. Pelo meio, há tempo para parar e mergulhar no local de menor altitude do planeta - o Mar Morto. Está a 300 metros abaixo no nível do mar, e as suas singulares características permitem-te experimentar o enorme poder de flutuação que estas águas têm, devido à sua elevada concentração de sal.

Depois do mergulho, seguimos para Madaba, local onde passamos a última noite. Ao final da tarde, percorremos as ruas da cidade, famosa pela arquitetura otomana e pelos mosaicos da era bizantina.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 8Madaba e Voo de Regresso

Madaba fica próximo de Amã e o aeroporto Queen Alia situa-se entre as duas cidades. Conforme a hora do teu voo, levamos-te até ao aeroporto de Amã para regressares a casa, depois de uma viagem inesquecível.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: -

Inclui:

Acompanhamento do líder Nomad durante toda a viagem
Transfers de aeroporto (dentro das datas do programa)
Alojamento durante todo o programa
Transportes durante todo o programa
7 pequenos-almoços, 4 almoços e 4 jantares
Atividades e visitas descritas no programa (exceto as indicadas em Exclui)

Exclui:

Voos internacionais
Visto
Alimentação não especificada (cerca de 15€ por refeição)
Gratificações à equipa local
Entrada no complexo de apoio ao Mar Morto (cerca de 20€)
Seguro pessoal
Atividades não especificadas
Extras pessoais

Perguntas Frequentes

  • Para fazer esta viagem preciso de visto?

    Vais precisar de visto para fazer esta viagem. Na Jordânia, o visto para viajantes com passaporte português é obtido à chegada, no aeroporto, e tem um custo de 40JOD (aproximadamente 50€). O processo é simples - basta apresentares o teu passaporte.

  • Podem reservar-me noites extra no início e fim da viagem?

    A Nomad pode reservar-te noites extra no início e/ou no fim da viagem. No entanto, está sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faças o pedido assim que saibas as datas da tua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-te toda a informação sobre preços e disponibilidade.

  • Como são os alojamentos durante a viagem?

    Escolhemos alojamentos bem localizados no centro das cidades e perto dos principais pontos de interesse, de forma a facilitar as deslocações previstas no programa. São alojamentos que respiram a atmosfera das povoações visitadas, caracterizados pelas marcas culturais da região, de forma a acentuar os contrastes que se podem sentir ao longo da viagem.  

    Em Amã e Madaba, primeira e última noite da viagem, ficas alojado em hotéis de categoria de três estrelas ou equivalente, em quartos de duas camas com casa de banho privativa. Em Amã, o hotel está bem localizado no centro da cidade, de onde partimos facilmente para as visitas à capital jordana.

    Nas restantes noites, acampamos. Em Petra, o local do acampamento está situado numa bela garganta de cores alaranjadas, e dispõe de casas de banho. No Wadi Rum, montamos as tendas em pleno deserto, na companhia dos guias beduínos. As tendas, tanto em Petra como no Wadi Rum, são para três pessoas, mas são utilizadas apenas por dois viajantes. Os colchões são-te fornecidos - só precisas de levar o teu saco-cama. No Wadi Rum, o acesso a casas de banho é limitado. Será providenciado um local para a casa de banho e um chuveiro rudimentar, cujo ponto de água é alimentado pelo trabalho da família que nos recebe. A água, para além de implicar um esforço físico, é um bem escasso no deserto.

  • Como é a alimentação durante a viagem?

    A gastronomia da Jordânia é variada. Nos restaurantes de Amã e Madaba, vais encontrar uma oferta diversificada. Em Petra e no Wadi Rum, as nossas equipas locais vão cozinhar para o grupo, desde pratos de carne, legumes e arroz, acompanhados de chá - tudo à boa maneira beduína. É possível fazer uma alimentação vegetariana, mas avisa-nos com antecedência para que possamos preparar-nos com as equipas locais. Quer o Mahmoud em Petra, quer o Salam no Wadi Rum, são relembrados pelos nossos grupos por serem bons cozinheiros.

  • Como vou gerir o dinheiro durante a viagem?

    A moeda da Jordânia é o dinar jordano (JOD). O euro tem pouca aceitação, mas o dólar é moeda corrente em locais turísticos, especialmente para pagamentos de elevado valor. 

    Para os pagamentos do dia a dia, na rua, mercados e restaurantes, a moeda a usar é o dinar. Podes encontrar ATM’s onde levantar dinheiro e balcões de câmbios logo no aeroporto, à chegada. Em Amã, é fácil encontrar ATM’s e casas de câmbio. Fora de Amã, tens ATMs em alguns pontos, mas não muitos, embora haja lugares onde cambiar dinheiro. Se preferires, podes levar de Amã o dinheiro para o resto da viagem. De qualquer forma, podes perguntar ao nosso guia, que te dará todas as indicações necessárias. 

    A maioria das refeições da viagem está incluída. Para as que não estão, conta com cerca de 15€ por almoço ou jantar, exceto em refeições de rua, que são consideravelmente mais baratas. Mas nota que este valor é meramente indicativo e vai variar muito consoante o consumo de bebidas. Geralmente o grupo faz as refeições em conjunto e o guia da viagem tem sugestões pensadas para cada refeição. Mas, se preferires, podes optar por fazer uma refeição noutro lugar e juntar-te ao grupo mais tarde. 

    Não estão incluídas algumas entradas, detalhadas no Inclui/ Exclui do itinerário, que fazem um total de cerca de 20€. Pode haver ainda outros locais não previstos no programa que pretendas visitar no tempo livre da viagem.

    Aconselhamos-te a levar um cartão Revolut ou outro do mesmo género. As principais vantagens são as taxas reduzidas ou inexistentes. Alegadamente, as taxas de câmbio são mais favoráveis do que as dos bancos tradicionais, por isso é uma excelente opção para poupares dinheiro em taxas durante a viagem.

    É conveniente levares um fundo de emergência de 200€ em dinheiro. Pode servir se, por qualquer razão, não conseguires levantar dinheiro logo à chegada ou noutro local durante o percurso. Nesse caso, farás com facilidade a troca para a moeda local num banco ou numa casa de câmbios. 

  • Como é o acesso à eletricidade durante a viagem?

    Há wi-fi nos hotéis que usamos e em alguns cafés e restaurantes. Há rede de telemóvel em todo o país ao longo das estradas principais, mas a internet é lenta na maioria dos locais fora das cidades. Nos dias que passamos em Petra e no deserto de Wadi Rum, não há rede de telemóvel.

    Como passamos vários dias a acampar e a dormir fora de ambientes urbanos, não há eletricidade em grande parte da viagem. A partir de Amã, o acesso a eletricidade é bastante remoto. O meio de transporte não tem capacidade para carregar as baterias de todos os equipamentos e o acesso a eletricidade é residual em locais para almoço ou pequenas paragens. Não contes com acesso a eletricidade durante, pelo menos, quatro dias. Previne-te antes de partir, com baterias extra para a máquina fotográfica e acessórios com energia para o teu telemóvel, como power banks ou carregadores solares.

  • Como são os transportes durante a viagem?

    Durante a viagem, viajamos num miniautocarro com ar condicionado para nos deslocarmos ao longo do país, nos trajetos maiores da viagem. A Jordânia não é um país muito grande, por isso não farás grandes trajetos no autocarro. Dentro de Amã e de Madaba andamos a pé ou, pontualmente, de carrinha. Em Petra andamos a pé. No Wadi Rum, usamos robustos jipes e pick-ups perfeitamente adaptados às condições do deserto, mas que não dispõem de ar condicionado.

  • Como é o clima durante a viagem?

    Realizamos as nossas viagens em épocas amenas. Podes contar com temperaturas máximas de 25ºC no deserto de Wadi Rum, e temperaturas mínimas de 6ºC durante a noite em Petra. Há possibilidade de ocorrência de chuva.

  • Quem acompanha o grupo durante a viagem?

    Em Amã, no aeroporto, terás à tua espera um transfer da equipa do nosso representante local, que te levará ao alojamento da primeira noite. No dia seguinte ao pequeno-almoço, vais conhecer o guia principal da viagem. É um guia jordaniano, que vai estar contigo desde a primeira manhã em Amã até ao último dia desta aventura, em Madaba. É ele que te vai desvendar os segredos destas cidades. Na região de Petra, vai juntar-se a ele o Mahmoud (e os seus companheiros). O Mahmoud é um carismático beduíno de Petra, cuja família habitava uma gruta, um modo de vida que ele procura recuperar. No Wadi Rum, vais ficar a conhecer o Salam. É outro beduíno, de uma tribo diferente, distinto mas sempre bem-disposto. É o verdadeiro homem do deserto, que habita às suas portas com os irmãos. A língua falada durante toda a viagem é o inglês, mas o grupo é constituído apenas por viajantes Nomad.

  • Nesta viagem há restrições de vestuário?

    A Jordânia é um país muçulmano. Embora muito liberal no código de vestuário, com muitas mulheres a vestirem-se de forma ‘ocidental’, são também muitas as que vais encontrar de cabeça, ou mesmo cara, coberta. 

    Fora de Amã, as tradições tendem a ser levadas mais a sério, e tanto homens como mulheres devem evitar decotes pronunciados ou saias e calções muito curtos. Apesar de encontrares muitos turistas que não seguem estas recomendações, se respeitares as tradições és muito melhor acolhido pelos habitantes locais. Acima de tudo, o mais importante é usar bom senso e estar atento às reações. 

    Nas visitas às mesquitas é, normalmente, exigido às mulheres que cubram a cabeça com um lenço e os homens não devem usar calções. 

  • Esta viagem exige cuidados de saúde especiais?

    A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina como meio preferencial para o teu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projeto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. A consulta deverá ser feita com um mínimo de um mês da data de partida para a viagem.

  • Com quem vou partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tens a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais te agradar.

  • Podem reservar-me os voos internacionais?

    A Nomad não dispõe do serviço de reserva de voos. O voo não está incluído no preço da viagem, para que possas ter a flexibilidade de escolher onde queres comprar o voo e de onde queres partir. 

    Se quiseres comprar os bilhetes de avião através de uma agência, recomendamos que recorras aos nossos parceiros Rotas do Mundo. Nos dias de hoje, a oferta online de ferramentas de pesquisa e marcação de voos internacionais é imensa, por isso poderás também optar por reservar os voos de forma independente. Se for o caso, sugerimos que consultes motores de busca como o Google Flights e a Momondo, que te apresentam várias soluções com diferentes itinerários, a preços competitivos.

    Lembramos que só deves comprar os bilhetes de avião quando a viagem estiver confirmada, ou seja, quando estiver garantido o número mínimo de participantes para a mesma se realizar. Se decidires inscrever-te na viagem, receberás um email assim que isso aconteça, com a indicação de que já podes proceder à reserva dos voos.

  • Se os voos são marcados de forma individual, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    A marcação dos voos é da responsabilidade dos viajantes. No entanto, vamos pedir-te os detalhes da tua reserva e horários de chegada. Esta informação será transmitida à nossa equipa local, para que o transfer te possa ir buscar ao aeroporto. 

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Podes. A maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho, sem qualquer alteração ao preço.

Resumo de viagem

Destinos

Jordânia

Atividades

Descoberta cultural, Caminhada, Percurso de camelo

Dormida

Acampamento: 4 noites, Hotel: 3 noites

Transportes

Jipe, Miniautocarro

Reservas

Min: 4 | Max: 12

Voo não incluído

Valor indicativo: 550€

Testemunhos

Fui agradavelmente surpreendida com um percurso deslumbrante. Cenários míticos e místicos, uma equipa capaz de nos contagiar de entusiasmo, um grupo 5 estrelas com quem foi mais do que natural criar laços de amizade.
Ana P.
Mais uma viagem mágica. O regresso torna-se difícil, principalmente após termos 'subido tão alto' junto de seres tão especiais. Recordá-la-ei sempre com um sorriso no rosto.
Susana J.
Viagem extraordinária. O deserto do Wadi Rum é arrebatador e viver como os beduínos é uma experiência de vida. Inesquecível!
António T.