Viagem Esgotada

Exploração da Gronelândia

Com Carla Mota 05 a 18 jul 2018

A maior ilha do mundo, um grande território por onde navegaram vikings e destemidos exploradores na perseguição da conquista do Ártico. Esta é também a terra do povo inuit, de fiordes gelados, de grandes glaciares e de trilhos que atravessam pastagens verdejantes.

É este o terreno da nossa aventura que combina trekking e navegação. Na Gronelândia, a quase inexistência de estradas, leva-nos a a recorrer a barcos para as deslocações no interior dos fiordes e ao longo da costa para ligarmos o sul ao norte habitado da ilha. No sul, fazemos trekking por colinas e prados viçosos que nos desvendam paisagens a perder de vista. Tal como os inuit, fazemos um percurso de kayak por entre icebergs e dormimos em lugares com comunidades que não ultrapassam as poucas dezenas de pessoas. Seguimos depois para norte, a bordo de um navio de grande porte que ao atracar nos fiordes nos dá a conhecer o modo de vida destas comunidades. Nos trekkings do norte, já após cruzarmos o círculo polar ártico, os ambientes são mais brancos, com vistas para glaciares que largam os seus gelos diretamente no mar.

  • Impacto cultural
    Foco da viagem está na Natureza. No entanto, irá cruzar-se com o povo Inuit.
  • Esforço físico
    Viagem ativa que combina trekking, navegação e kayak. Nos dias de trekking mais intenso, caminhará cerca de 7h.
  • Nível de conforto
    Alojamentos simples, mas asseados. Pernoitamos 4 noites em barco.

05 a 18 jul 2018

2350 €14 Dias
Voo não incluído.  Valor indicativo: 1400€

Viagem Esgotada

Se pretender ser notificado da existência de novas vagas para esta data, subscreva a lista de interessados.

Subscrever

Percurso

Dia 1Chegada a Narsarsuaq


A Carla vai estar à sua espera no aeroporto em Narsarsuaq, a porta de entrada para o sul da Gronelândia. Conforme a hora de chegada, poderá ser possível dar um passeio pelas ruas da povoação ou subir a um miradouro para uma vista sobre o fiorde de Tunulliarfik.

Alimentação: -
Dormida: Albergue

Dia 2Barco: Fiorde Gelado de Qooroq



Narsarsuarq será o nosso primeiro “campo-base” para a aventura que nos vai levar do sul ao norte da Gronelândia habitada. Narsarsuarq situa-se num fiorde, bem próximo da entrada do fiorde gelado de Qooroq. Vamos explorá-lo recorrendo a um pequeno barco que nos leva a navegar por entre icebergues, até à frente do glaciar, onde podemos observar o calving (a queda de massa dos glaciares na água). É este fenómeno que alimenta o fiorde de icebergs. Narsarsuaq, uma povoação de média dimensão para a Gronelândia, tem cerca de 150 habitantes, o que nos recorda o grau de isolamento desta região, que se reflete desde já na nossa viagem. Uma das atividades da tarde de hoje vai ser abastecermo-nos de alimentos para os próximos dias.

Alimentação: -
Dormida: Albergue

Dia 3Trekking ao Glaciar de Narsarsuaq



Após o pequeno-almoço, calçamos as botas de trekking e partimos para um trilho de um dia, que nos leva ao glaciar de Narsarsuaq, no manto de gelo da Gronelândia. Do topo, a paisagem gelada perde-se na linha do horizonte e transmite-nos uma sensação de imensidão. Regressamos a Narsarsuaq durante a tarde e jantamos no albergue.

Alimentação: -
Dormida: Albergue

Dia 4Trekking de Tasiusaq e Kayak em Fiorde

Começamos cedo aquele que vai ser um dia cheio. Saltamos a bordo de um pequeno barco fretado para o nosso grupo e cruzamos o fiorde de Tunulliarfik que fica à nossa frente. Desembarcamos em Qassiarsuk, uma povoação típica da Gronelândia, onde visitamos as ruínas vikings de Brattahlid. Depois, colocamos as mochilas às costas e damos início a um trekking que nos vai levar pelas paisagens do Ártico até Tasiusaq, um povoado ainda mais pequeno do que aqueles por onde temos passado. Tasiusaq é um lugar absolutamente tranquilo e surreal, onde a ideia da Gronelândia coberta de gelo e icebergs contrasta com a realidade preenchida por campos verdejantes e flores rosa e lilases que ladeiam o caminho, dando-lhe um ar completamente idílico. Instalamo-nos no albergue onde vamos passar a noite e por aí ficamos um pouco a descontrair e usufruir da paisagem que o envolve. De seguida, pegamos nas pagaias, para navegarmos de kayak numa baía preenchida por icebergues. O percurso não exige experiência prévia e, embora não apresente dificuldades, vai dar-lhe uma perspetiva inesquecível do Ártico, ao navegar de kayak por entre os icebergues que flutuam nas águas, como fazem os inuit há já muitos séculos. Foram eles que inventaram o kayak, que se tornou um meio de transporte fundamantal para as suas comunidades e teve um papel determinante na sua subsistência, permitindo-lhe desenvolver a caça à foca e à baleia.

Alimentação: -
Dormida: Albergue

Dia 5Trekking de Qassiarsuk e Igaliku


Deixamos Tasiusaq pela manhã e seguimos a pé de novo até Qassiassuk. A meio do trekking paramos numa quinta onde reside meia dúzia de pessoas que nos mostram como é o dia a dia da vida rural na Gronelância. De volta a Qassiassuk, temos a aguardar-nos um pequeno barco que nos vai levar a navegar pelo fiorde até ao porto de desembarque de Itilek. Voltamos a colocar as mochilas às costas e fazemos uma curta caminhada para percorrer os 4 km que nos separam de Igaliku, uma das mais belas e típicas povoações da Gronelândia. Igaliku tem apenas 40 habitantes e pouco mais do que uma dezena de casas coloridas na margem do fiorde de Einar, com águas azuis turquesa. É com esta paisagem que ficamos o resto do dia.

Alimentação: -
Dormida: Albergue

Dia 6Trekking ao Blue Ice Camp



Acordamos para mais um dia de trekking. Começamos a progressiva subida que nos leva ao plateau sobre o fiorde gelado de Qooroq. Esta é uma das vistas mais memoráveis e extraordinárias do sul da Gronelândia. Depois de contemplarmos a vista sobre o fiorde, iniciamos a descida ao Blue Ice Camp. Já lá em baixo, na baía onde os icebergues se acumulam, vamos caminhar sobre o gelo, para depois apanharmos mais um barco que nos vai levar a Narsaq. Agora numa cidade de maior dimensão, vamos sentir-nos de volta à civilização.

Alimentação: -
Dormida: Guesthouse

Dia 7Narsaq e Embarque




Narsaq é uma das maiores comunidades Inuits do sul da Gronelândia. Passamos aqui o dia, conhecendo e privando com a comunidade Inuit. Depois, entramos a bordo de um pequeno navio de 250 passageiros onde vamos navegar ao longo dos próximos três dias pelos fiordes gelados da Gronelândia. Este ferry transporta passageiros e carga e serve essencialmente os habitantes locais, pelo que é provável que sejamos dos poucos estrangeiros a bordo. 



Alimentação: -
Dormida: Cama em barco

Dia 8Navegação pelos Fiordes


O dia é passado em navegação. Sem nunca nos afastarmos muito da costa, seguimos ao longo dos fiordes do sul da Gronelândia. O verde que caracteriza estas terras do sul da ilha contrastam com os territórios gelados que vamos encontrar mais a norte dentro de poucos dias. Aproveite o deck do navio para tentar observar baleias e focas, que passam frequentemente próximo das embarcações que aqui navegam. Ao longo do dia o barco para em várias povoações, o que nos permite testemunhar o isolamento dos seus habitantes. Na Gronelândia não existem estradas a ligar as localidades. A via marítima é essencial, por vezes é a única forma de ligar povoações.



Alimentação: -
Dormida: Cama em barco

Dia 9Navegação pelos Fiordes e Nuuk


Da parte da manhã continuamos a navegação, observando as mudanças que ocorrem na paisagem. Depois do almoço, que será ainda a bordo, deixamos o barco e vamos passar a tarde em Nuuk. Percorremos as ruas da capital da Gronelândia e vamos visitar o museu nacional. Ao final do dia regressamos a bordo e prosseguimos viagem rumo ao Ártico.



Alimentação: -
Dormida: Cama em barco

Dia 10Navegação pelos Fiordes (Ártico)


Hoje é o dia em que entramos no verdadeiro domínio do Ártico com a passagem do Circulo Polar Ártico, na latitude de 66º 33’ N. Da parte da tarde desembarcamos na povoação de Sissimiut, a cidade mais a norte onde o porto fica livre de gelo durante o inverno. Deambulamos pelo centro histórico e sentamo-nos na encosta a observar a vista sobre a baía. À noite, regressamos ao porto para a última noite a bordo.

Alimentação: -
Dormida: Cama em barco

Dia 11Ilulissat


Despertamos ainda sobre as águas do mar, passamos pela povoação de Aasiaat e entramos nos domínios dos gelos e icebergues, até que cruzamos o fiorde gelado de Ilulissat. Esteja atento para observar baleias entre os gigantescos icebergues que se acumulam nas águas geladas do Ártico. Chegados a Ilulissat desembarcamos com as nossas mochilas, já que os dias de navegação terminaram. Vamos explorar a capital mundial dos icebergues, como costuma ser chamada esta cidade, que é hoje a terceira maior da Gronelândia. Entre as nossas voltas e passeios, vamos à igreja Zion, um dos lugares mais mágicos do mundo.

Alimentação: -
Dormida: Albergue

Dia 12Trekking no Fiorde Gelado de Ilulissat

Ilulissat Kangerlua é provavelmente a maior atração turística da Gronelândia e apresenta uma beleza tão invulgar e inquestionável que, em 2004, a UNESCO inseriu-o na lista de Património Mundial. Nas décadas de 80 e 90 Ilulissat não passava de mais uma vila piscatória que, de verão, quando os gelos polares derretiam, via a sua baía encher-se de gigantescos icebergues libertados por um dos glaciares mais profícuos do mundo. Os icebergues atraíram os primeiros exploradores e trekkers dos tempos modernos e a beleza da costa de Ilulissat invadiu o mundo. É por este fiorde de gelo que o nosso dia de hoje se desenrola. Pela manhã, começamos com uma visita ao mercado de peixe e baleia. Depois, partimos para um trekking ao longo da parte terminal do fiorde, onde não conseguimos deixar de parar com frequência para contemplar a paisagem.

Alimentação: -
Dormida: Albergue

Dia 13Trekking no Fiorde Gelado de Ilulissat


Depois do pequeno-almoço, voltamos a calçar as botas de montanha e partimos para explorar o trilho do fiorde gelado de Ilulissat. Do trilho acompanhamos as dinâmicas glaciares recentes, visualizando a produção de icebergues mesmo à nossa frente. Pelo trajeto testemunhamos uma das maiores tradições do Ártico, os cães que puxam os trenós. Nesta altura do ano não é possível andar de trenó, os trenós de cães são usados apenas durante os meses de inverno. Ainda assim vamos ter oportunidade de conhecer alguns destes animais e perceber como as questões de sustentabilidade associadas ao degelo crescente afetam esta região.

Alimentação: -
Dormida: Albergue

Dia 14Ilulissat e Regresso


Hoje termina a nossa exploração das terras da Gronelândia. A Carla vai levá-lo ao aeroporto para o seu voo de regresso.

Alimentação: -
Dormida: -

Inclui:

Alojamento durante todo o programa

Transportes locais

Navegação ao longo de três dias nos fiordes da Gronelândia

Acompanhamento de líder Nomad durante toda a viagem

Transferes de aeroporto (dentro das datas do programa)

Exclui:

Voos internacionais

Alimentação (cerca de 40€/dia)

Atividades extra

Extras pessoais como bebidas, telefone, etc

Entradas e guias locais em monumentos
Seguro pessoal

Perguntas Frequentes

  • Para fazer esta viagem preciso de visto?

    A Gronelândia é território dinamarquês e, como tal, não necessita de visto. No entanto, necessita de passaporte (com validade mínima de 6 meses após a data de fim da viagem) porque a Gronelândia, apesar de fazer parte da Dinamarca, goza de autonomia e não faz parte da União Europeia.

  • Como são os alojamentos durante esta viagem?

    Ao longo de quase todo o itinerário ficamos alojados em albergues. Dormimos em camaratas, normalmente com quatro a seis camas, com casas de banho partilhadas para todo o albergue. Nesta viagem não é possível a divisão por sexos. As casas de banho têm sempre chuveiro com água quente. Estes albergues são de pequena dimensão e estão em lugares calmos. Terá de levar saco-cama. As camas não têm lençóis nem edredons, estando pensadas para que cada pessoa traga o seu saco-cama. Os albergues estão aquecidos, pelo que um saco-cama para 10º a 15º de conforto será suficiente. Os alojamentos são simples mas asseados, mas deverá ajustar as suas expectativas à realidade de estar num lugar inóspito. Em Narsaq dormimos numa guest-house, em quartos de duas camas. As restantes condições são semelhantes aos albergues.
    Nos dias de navegação, o alojamento será feito em regime de camarata no barco, com uma cama de beliche resguardada por uma cortina. As casas de banho são partilhadas.

  • Podem reservar-me os voos internacionais?

    Sim, pode tratar de todos os seus voos com a nossa agência. O voo não está incluído no preço da viagem para que possa ter a flexibilidade de escolher onde quer comprar o voo e de onde quer partir.

  • Se pretender chegar a Narsarsuaq uns dias mais cedo posso reservar convosco o alojamento? E se pretender ficar mais dias em Ilulissat no fim da viagem?

    Se pretender chegar a Narsarsuaq um ou mais dias antes da data de início da viagem podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos na viagem. No entanto, isso estará sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faça o pedido assim que saiba as datas da sua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-lhe a informação de preço e disponibilidade. Da mesma forma, podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos em Ilulissat, no final da viagem.

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tem a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais lhe agradar.

  • Se os voos são marcados de forma individual, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    Quer marque o voo por si ou através de nós, e independentemente do seu ponto de partida, nós ficaremos com os seus detalhes de voo para que possamos passá-los ao Líder Nomad. Desta forma, ele estará à sua espera no aeroporto para o levar para junto do resto do grupo.

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Sim, maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho. E não tem que pagar qualquer suplemento por isso. 

  • Com quem irei partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • Esta viagem exige cuidados de saúde especiais?

    A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina (https://www.consultadoviajante.com) como meio preferencial para o seu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projecto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. A consulta deverá ser feita com um mínimo de 1 mês da data de partida para a viagem.

Resumo de viagem

Destinos

Gronelândia

Atividades

Trekking, Kayak, Navegação, Descoberta Cultural

Dormida

Albergue - 8 noites, Guest house - 1 noite, Cama em barco - 4 noites

Transportes

Barco

Reservas

Min: 5 | Max: 10

Voo não incluído

Valor indicativo: 1400€