Viagem Esgotada

Do Cabo a Zanzibar

Com Mateus Brandão 11 a 30 jun 2020

No século XIX, o Império Britânico idealizou uma linha de comboio que atravessaria África de norte a sul. O que resta desta linha liga grandes cidades a pequenas aldeias e atravessa paisagens naturais intocadas.

Recorrendo a troços desta linha de caminho de ferro, utilizada hoje pela população local nas suas deslocações quotidianas, viajamos por uma África profunda, encarando os seus contrastes. São estes os nossos companheiros de carruagem, enquanto atravessamos o interior do continente e nos impressionamos com a grandiosidade de lugares como as cataratas Victoria e o extenso vale do Rift. Completamos a experiência percorrendo de jipe e a pé a savana, em safaris que nos levam bem perto da fauna africana. São vinte dias numa odisseia desde a cosmopolita Cidade do Cabo até ao Índico, à ilha das especiarias, Zanzibar.

  • Impacto cultural
    Partilhará o comboio e muitos momentos desta viagem com famílias e personagens da região, com costumes diferentes daqueles a que está habituado.
  • Esforço físico
    Viagem com pouca atividade física para além de pequenas caminhadas e deslocações a pé nas cidades.
  • Nível de conforto
    Alojamentos simples, mas asseados. 4 noites em comboio e 1 em autocarro. Deslocações longas em transportes públicos.

11 a 30 jun 2020

2480 €20 Dias
Voo não incluído.  Valor indicativo: 950€

Outras datas disponíveis:

Viagem Esgotada

Se pretender ser notificado da existência de novas vagas para esta data, subscreva a lista de interessados.

Subscrever

Percurso

Dia 1Chegada à Cidade do Cabo

À chegada à Cidade do Cabo, o líder Nomad Mateus Brandão vai estar à sua espera no aeroporto para lhe dar as boas vindas ao continente africano. Caso chegue cedo aproveite o tempo livre para descontrair numa das muitas esplanadas da cidade até que o grupo esteja todo reunido para o primeiro jantar.



Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 2Cidade do Cabo

A história da África do Sul confunde-se facilmente com a figura de Nelson Mandela. Para dar inicio o nosso périplo pelo país, propomos a visita ao “símbolo do triunfo do espirito humano sobre a adversidade”: a ilha e prisão de Robben Island, onde Madiba — como era carinhosamente tratado — passou grande parte da sua vida encarcerado e na qual, contam os primeiros registos de estada, em 1498, um grupo de marinheiros portugueses ali se abrigou numa gruta. Da parte da tarde percorreremos as ruas da cidade e — se a meteorologia o permitir — ascenderemos aos quase 1100 metros do seu ícone maior: a Table Mountain — assim apelidada pelo navegador português António de Saldanha, que a subiu pela primeira vez em 1503.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 3Península do Cabo

Hoje sugerimos uma relaxante viagem de comboio à Península do Cabo, mais precisamente à vila de Simon’s Town. Tome lugar à esquerda e saboreie a brisa que entra pela janela quando nos últimos quilómetros o comboio serpentear as montanhas junto ao areal. Simon’s Town foi em tempos a mais importante base naval britânica do hemisfério sul. Mas não é para ver navios que aqui nos encontramos. O Cabo da Boa Esperança fica a poucos quilómetros e a magnifica colónia de pinguins africanos que habitam a praia Boulders são a nossa sugestão. E se o tempo assim o permitir, porque não dar um mergulho na companhia destes empáticos ‘senhores de fraque’?!

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 4Da Cidade do Cabo a Joanesburgo

É dia de deixar a Cidade do Cabo e rumar a Joanesburgo, a cidade do ouro. O comboio parte da estação por volta das 10 da manhã e só chegará a Joanesburgo à hora de almoço do dia seguinte. Não deixe de espreitar a paisagem que se desenrola na sua janela — principalmente os primeiros quilómetros em território de vinhas e montanhas — e aproveite para pôr a leitura em dia ou simplesmente descontrair da actividade dos últimos dias. Viajar no Shosholoza Meyl é uma experiência singular e para a tornar ainda mais única, sugerimos que faça as suas refeições a bordo da carruagem restaurante.

Alimentação: -
Dormida: Cabine de comboio

Dia 5Joanesburgo

Em África diz-se: “os suíços têm os relógios. Nós temos o tempo.” Quer isto dizer que o mais certo será chegarmos a Joanesburgo a meio da tarde. Depois do devido descanso no nosso hotel e com o tempo que nos restar, daremos uma primeira volta por esta que é uma das mais verdes cidades do mundo.

Alimentação: -
Dormida: Guesthouse

Dia 6Joanesburgo

Aproveite bem o pequeno-almoço porque hoje o dia será preenchido. Começaremos com a visita ao Constitution Hill — um antigo presídio que ocupou o lugar de um forte da guerra dos Boers e que entretanto foi parcialmente convertido em Tribunal Constitucional. De seguida, espreitamos o imperdível Museu do Apartheid, em mais uma lição sobre o período mais difícil da história do país. E como não podia deixar de ser, o dia terminará com um passeio (de bicicleta) pelo Soweto — um dos mais, injustamente, infames lugares de Joanesburgo. Com uma população estimada em mais de 3 milhões de pessoas, o Soweto é uma das maiores conurbações do mundo. Pode até parecer voyeurismo considerar a visita a um lugar como este, mas a verdade é que só assim se compreende plenamente a realidade da cidade e do país. Aliás, como os próprios fazem questão de referir: “se o Soweto espirra, a África do Sul constipa.” E para além disso, o que foi outrora um gueto, é hoje um complexo mosaico social, onde se incluem alguns dos movimentos artísticos mais emergentes da cidade.

Alimentação: Pequeno-almoço e almoço
Dormida: Guesthouse

Dia 7De Joanesburgo a Bulawayo (Zimbabué)

Apesar da operacionalidade da via férrea entre Joanesburgo e Bulawayo, todo o serviço de passageiros se encontra suspenso entre as duas cidades, forçando-nos ao autocarro, sem alternativa que não seja fazer a viagem de noite. Deixaremos Johanesburgo ao inicio da tarde para chegar a Bulawayo na manhã seguinte, bastante cedo. Mas não se deixe impressionar pelas 16 horas da viagem. Aproveite as primeiras horas para contemplar a paisagem e procure descansar quando entrar em modo verdadeiramente noturno. Estamos em África. Seja paciente. Entre no espírito e no ritmo do continente. O autocarro faz paragens para que possa esticar as pernas e descontrair um pouco. Na verdade, a fronteira entre a África do Sul e o Zimbábue é o primeiro vislumbre de um certo imaginário de África. Esta fronteira, a meio da noite, é um verdadeiro acontecimento.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Autocarro noturno

Dia 8Parque Nacional Rhodes Matopos

Chegaremos a Bulawayo manhã bem cedo, a hora mais ou menos incerta, mas a tempo de um retemperador pequeno-almoço. Prepare-se para a experiência de uma vida! Se trouxe o caqui e o chapéu à Henry Stanley, hoje é dia de o utilizar. De jipe e a pé — na companhia de quem os trata como família —, iremos em busca do rinoceronte branco, um dos mais ameaçados mamíferos do planeta. Terá oportunidade de se aproximar tanto deles que é difícil de imaginar. Mas não se assuste com estes pesos-pesados, eles são na verdade animais extremamente amistosos, como irá facilmente perceber. Além disso, o Parque Nacional Rhodes Matopos é berço da maior e mais variada densidade de aves do mundo! Cecil Rhodes — um dos maiores entusiastas do megalómano projeto britânico de construção de uma linha de caminho de ferro que atravessasse todo o continente africano — ficou tão impressionado com estas paisagens que fez questão de ser sepultado aqui. Mais do que um safari, a experiência de hoje é uma verdadeira aula de campo. Para além dos rinocerontes, falaremos sobre o tempo em que os bosquímanos habitavam as grutas da região; sobre o primeiro acampamento escutista, aqui organizado por Baden Powell; ou sobre como utilizar as plantas para coisas tão simples como sabonete; não regressando, sem visitar uma das aldeias do parque e o seu carismático ancião, caçador de leopardos.

Alimentação: Pequeno-almoço e almoço
Dormida: Guesthouse

Dia 9Bulawayo

O dia de ontem será porventura o mais desgastante de toda a viagem, pelo que lhe propomos que retempere forças pela manhã. Apesar de se tratar da segunda maior cidade do Zimbábue, Bulawayo é de uma tranquilidade fascinante. Lugar de gente simpática e afável; de mercados coloridos; de arquitectura colonial e de toda a genuinidade de uma cidade africana. É a estas ruas que dedicaremos a nossa tarde, partindo pelas 19 horas, nas históricas carruagens britânicas da década de cinquenta (ainda com insígnias dos caminhos-de-ferro da antiga Rodésia), até às majestosas Cataratas Vitoria, onde chegaremos pela manhã.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Cabine de comboio

Dia 10Cataratas Victoria (Zâmbia)

As Cataratas Vitoria são sem dúvida um dos mais impressionantes postais de África. Dr. Livingstone terá mesmo dito serem a visão mais extraordinária que alguma vez teve do continente africano. Ainda do lado do Zimbábue, vista o impermeável porque aqui vai-se molhar (o que até irá saber bem com o calor que certamente se fará sentir)! Do Zimbábue para a Zâmbia a fronteira cruza-se a pé, atravessando a incrível ponte rodo-ferroviária sobre o rio Zambeze; peça fundamental do plano de Cecil Rhodes para ligar a Cidade do Cabo ao Cairo.

Alimentação: -
Dormida: Guesthouse

Dia 11Livingstone

Em Livingstone, sobram actividades por onde escolher e hoje é dia para desfrutar delas. Vá pescar junto às cataratas; nade numa das suas piscinas naturais ou sobrevoe-as de microleve ou helicóptero; assista ao pôr-do-sol num cruzeiro pelo rio ou desça-o de rafting; faça bungee jumping ou rappel; enfim... o que não falta é por onde escolher. No entanto, se preferir ficar pela cidade, não deixe de espreitar o mercado de Maramba, o Museu da Cidade ou o Museu Ferroviário, e os vendedores de artesanato entre um ou outro café.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Guesthouse

Dia 12Lusaka

Por estes lados diz-se que todos os caminhos vão dar a Lusaka. Tem a confusão e o aspecto de uma típica capital africana, mas abstraia-se deste primeiro impacto. Apesar de não ser cidade de grandes superlativos, a capital da Zâmbia não deixa de surpreender com a sua arquitectura soviética, os seus movimentados mercados e o ambiente genuinamente africano da cidade.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dias 13 e 14Mukuba Express

Prepare-se para uma longa viagem entre estrada e carris. O caminho até à Reserva Selous é feito em três etapas: nestes dois dias começamos por deixar Lusaka com destino a Kapiri Mposhi, num percurso de cerca de três horas de autocarro, que nos levará até ao ponto de partida do último comboio da nossa aventura, que terá uma duração de aproximadamente 40 horas. Mas não se deixe impressionar negativamente pela duração da jornada; esta é uma viagem fantástica pelo vale do Rift, por entre aldeias perdidas de palhotas e paisagens incríveis. Das janelas do comboio terá oportunidade de comprar fruta, chamuças e bebidas frescas aos muitos vendedores que surgem a cada paragem numa estação. Se preferir, esta é também uma boa oportunidade para pôr a leitura em dia, mas não deixe de visitar a carruagem restaurante e o bar para o convívio com os outros passageiros. Passamos duas noites a bordo, em compartimentos de 4 camas. Por fim, um pequeno percurso de jipe irá deixar-nos no nosso lodge.

Alimentação: Pequeno-almoço (dia 13)
Dormida: Cabine de comboio

Dia 15Mukuba Express e Kisaki

O horário oficial diz que deveríamos chegar à estação de Kisaki por volta das 8 da manhã, mas o melhor mesmo é contar que tal não aconteça antes das 4 da tarde... Não desespere! O atraso tem a vantagem de permitir contemplar um dos troços mais bonitos da viagem com luz do dia, especialmente entre Makambako e Ifakara, onde as montanhas do Parque Nacional Udzungwa fazem a sua aparição. À espera, à nossa chegada a Kisaki, estarão os jipes para nos conduzir ao lodge onde hoje iremos repousar e pernoitar, desta vez com o som da selva por companhia.

Alimentação: Jantar
Dormida: Lodge

Dia 16Reserva de Selous Game

Hoje passaremos todo o dia em safari, saindo às primeiras horas do dia e logo após o pequeno-almoço. Selous é a segunda maior Reserva de África e considerado Património Mundial da UNESCO pela sua diversidade de vida selvagem e habitats intocáveis. Não será portanto difícil encontrar leões, búfalos, girafas, gnus, zebras, empalas, elefantes, hipopótamos e um sem-número de diferentes espécies de aves que habitam a reserva de forma completamente livre (a reserva não possui qualquer tipo de vedação ou limite fisico e comunica inclusive com outros parques). Com tamanha dimensão, pode esperar igualmente diferentes tipos de paisagem, que vão desde a selva densa à savana, passando por inúmeros e vastos lagos alimentados pelas águas do rio Rufiji. Depois do pôr-do-sol, seremos encaminhados para o local de acampamento, onde não tardará a ser servido o jantar, junto à fogueira, e com os hipopótamos do vizinho lago como banda sonora.

Alimentação: Pequeno-almoço, almoço e jantar
Dormida: Acampamento

Dia 17Da Reserva Selous Game a Zanzibar

Deixaremos a Reserva Selous, de jipe, logo após o pequeno-almoço e com destino a Dar es Salaam, de onde cruzaremos de ferry para Zanzibar. Serão ainda cerca de 7 horas de estrada até avistarmos finalmente as águas quentes do Índico. A nossa viagem está quase no fim. Foram mais de 5000 quilómetros até aqui e não poderia haver melhor sitio do que este para terminar. É altura de descontrair. Depois de instalado, entre no ritmo próprio e vagaroso da ilha: ‘polé-polé’ (devagarinho, devagarinho!), como por aqui se diz.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 18Stone Town

Com mais de 1000 edifícios de valor arquitectónico construídos em pedra de coral e mais de 200 portas trabalhadas, lojas, ateliers e escolas, num labirinto de ruas estreitas e intrincadas — como se estivéssemos numa medina árabe — Stone Town é desde o ano 2000 considerada Património Mundial da Humanidade. Hoje deixámo-nos perder nos seus becos, procuramos mesquitas, templos hindus, igrejas e edifícios coloniais; saboreamos café nos seus recantos e exploramos o mercado repleto de frutos tropicais e peixe de tamanho como nunca viu. Deixe- se embalar pelo aroma a especiarias, pelo chamamento do muezzin para a oração e pela miscelânea de culturas que há séculos povoam esta ilha: persas, indianos, portugueses, árabes e ingleses, todos deixaram aqui o seu cunho. Ao final do dia, jantaremos numa das muitas bancas de rua dos Jardins Forodhani, com vista para o Índico e onde as crianças se lançam em mergulhos acrobáticos para o mar.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 19Unguja Ukuu e Ilha Nianembe

Zanzibar é sinónimo de praias paradisíacas, águas quentes e areia branca. E como não podia deixar de ser — e em jeito de despedida —, hoje rumamos ligeiramente a sul até à piscatória vila de Unguja Ukuu (de que se diz ter sido o primeiro povoado da ilha e que com ela partilha o nome) para num dhow — os tradicionais barcos de Zanzibar —, velejando ao sabor do vento, irmos em busca do nosso pedaço de paraíso. Uma vez na praia, mergulhamos nas águas azul turquesa, exploramos corais, grutas e almoçamos descontraidamente nas areias desta praia que só o é, enquanto a subida da maré não a reclama. Regressaremos a Stone Town ainda a tempo de uma cerveja ou de fumar um nargille numa esplanada sobre o mar. Ao jantar, já em jeito de despedida, celebramos esta odisseia que nos levou a atravessar uma grande parte do continente africano.

Alimentação: Pequeno-almoço e almoço
Dormida: Hotel

Dia 20Stone Town e Voo de Regresso

Hoje já não temos planos para o dia. É tempo de deixar o continente. De acordo com o horário do seu voo, o Mateus vai levá-lo ao aeroporto para o seu regresso.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: -

Inclui:

Alojamento durante todo o programa

Transportes locais em comboio, autocarro, carrinha, jipes, ferry e dhow (barco)
Acompanhamento de líder Nomad durante toda a viagem

12 Pequenos-almoços, 4 almoços e 2 jantares

Entradas nos Parques Nacionais visitados (Cape Point, Table Mountain, Cataratas Victoria e ilha Niamembe)
Safari no PN Rhodes Matopos (Zimbabué)

Safari na Reserva Selous Game (Tanzânia)

Visita guiada ao Soweto
Entradas nos Museus: Robben Island, Apartheid e Constitution Hill
Transferes de aeroporto (dentro das datas do programa)

Exclui:

Voos internacionais

Alimentação não especificada (cerca de 20€/dia)
Actividades extra
Entradas em museus e monumentos não especificados

Extras pessoais como bebidas, telefone, etc.
Vistos
Seguro pessoal

Perguntas Frequentes

  • Para fazer esta viagem preciso de visto?

    Para esta viagem não necessita de obter nenhum dos vistos com antecedência. Os cidadãos portugueses encontram-se isentos de visto para a África do Sul e em todos os outros países por onde a nossa viagem decorre, os vistos podem ser obtidos à entrada. O visto do Zimbábue tem um custo de 30 dólares, o da Zâmbia e da Tanzânia 50 dólares cada.
     

  • Como são os alojamentos durante esta viagem?

    Nas noites passadas em comboio, o grupo ficará dividido em compartimentos de 4 camas. Na África do Sul, o Shosholoza Meyl, onde dormimos uma noite, é um comboio confortável, limpo e seguro. Pode contar com compartimentos com um pequeno lavatório no interior e tomadas na carruagem restaurante. Cada carruagem dispõe de duas instalações sanitárias e um chuveiro. No comboio que nos leva de Bulawayo às Cataratas Vitoria (1 noite) e no TAZARA, que vai de Kapiri Mposhi a Ifakara (2 noites), a tipologia das carruagens é semelhante mas consideravelmente mais básica e sem chuveiro. A grande vantagem é poder viajar de janela aberta. Lembre-se que se tratam de composições antigas da década de 50 e 60 respectivamente, com pouca manutenção. No entanto, respiram nostalgia e romantismo e personificam toda a história que os atravessa. É aconselhável trazer um lençol-cama ou saco-cama. 
Nas cidades onde dormimos em hotel, os quartos serão de duas ou três pessoas, com casa de banho privativa. Temos ainda uma noite em lodge que, pela sua localização, nos oferece uma experiência mais compensadora que um hotel. Neste caso, poderá ter de partilhar as casas de banho. 
Na noite em acampamento na Reserva Selous Game, as tendas e os colchões são fornecidos. As tendas têm o espaço suficiente para albergar 2 pessoas e a sua bagagem, mas não conseguirá estar de pé na tenda.

  • Podem reservar-me os voos internacionais?

    A Nomad não dispõe do serviço de reserva de voos. O voo não está incluído no preço da viagem para que possa ter a flexibilidade de escolher onde quer comprar o voo e de onde quer partir. 

    Se pretender comprar os bilhetes de avião através de uma agência, recomendamos que recorra aos nossos parceiros, Rotas do Mundo. Nos dias de hoje, a oferta online de ferramentas de pesquisa e marcação de voos internacionais é imensa, por isso, poderá também optar por reservar os voos de forma independente. Se for o caso, sugerimos que consulte motores de busca como o Google Flights e a Momondo, que lhe apresentam várias soluções com diferentes itinerários, a preços competitivos.

    Lembramos que só deve comprar os bilhetes de avião quando a viagem estiver confirmada, ou seja, quando estiver garantido o número mínimo de participantes para a mesma se realizar. Se decidir inscrever-se na viagem, receberá um email assim que isso aconteça, com a indicação de que já pode proceder à reserva dos voos.

  • Se pretender chegar à Cidade do Cabo uns dias mais cedo posso reservar convosco o alojamento? E se pretender ficar mais dias em Stone Town no fim da viagem?

    Se pretender chegar à Cidade do Cabo um ou mais dias antes da data de início da viagem podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos na viagem. No entanto, isso estará sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faça o pedido assim que saiba as datas da sua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-lhe a informação de preço e disponibilidade. Da mesma forma, podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos em Stone Town, no final da viagem.

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tem a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais lhe agradar.

  • Se os voos são marcados de forma individual, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    A marcação dos voos é da responsabilidade dos viajantes. No entanto, vamos solicitar-lhe os detalhes da sua reserva e horários de chegada. Esta informação será transmitida ao líder Nomad. À chegada, o líder vai estar à sua espera no aeroporto para o levar para junto do resto do grupo.

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Sim, maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho. E não tem que pagar qualquer suplemento por isso. 

  • Com quem irei partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • Esta viagem exige cuidados especiais?

    A Tanzânia pode obrigar à apresentação do Certificado Internacional de Vacinas, onde deve constar a vacina contra a Febre Amarela. Por favor informe-se junto da Consulta do Viajante. A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina (https://www.consultadoviajante.com) como meio preferencial para o seu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projecto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. Para usufruír de uma redução de 20% no valor da consulta, deverá usar o código “consultanomad” aquando da marcação. A consulta deverá ser feita a cerca de 1 mês da data de partida para a viagem.

Resumo de viagem

Destinos

África do Sul, Zimbabué, Zâmbia, Tanzânia

Atividades

Descoberta cultural, Safari, Navegação

Dormida

Hotel - 7 noites, Cabine de comboio - 4 noites, Guesthouse - 6 noites, Lodge -1 noite, Acampamento -1 noite

Transportes

Comboio, Autocarro, Carrinha, Jipe, Ferryboat, Dhow (barco)

Reservas

Min: 5 | Max: 12

Voo não incluído

Valor indicativo: 950€

Testemunhos

Senti-me maravilhada ao longo de toda a viagem por poder disfrutar duma experiência tão rica.
Isabel E.
O momento mais marcante foi sem dúvida a viagem no comboio histórico RR, de Bulawayo às Victoria Falls.
José C.
A viagem que desperta o fascínio por África e pelas gentes de África.
Ana S.