Viagem Esgotada

Descoberta da América Central

Com Eduardo Madeira 23 nov a 08 dez 2017

Negligenciada durante décadas, a América Central é uma região culturalmente intensa, onde a beleza natural e a simplicidade das suas gentes cativam qualquer um. Da densa floresta tropical emergem ruínas maias e vulcões que trespassam as nuvens.

Desenhada para que o envolvimento com as populações locais seja genuíno, esta viagem conta com duas iniciativas de ação social, uma numa zona rural de El Salvador e outra na Nicarágua. Queremos deixar a nossa marca e conhecer o país visto "por dentro". A nossa aventura começa na Guatemala, um país de forte presença da cultura maia, com os seus mercados coloridos, montanhas luxuriantes e vulcões a perder de vista. Visitamos também Perquin, a capital guerrilheira de El Salvador, onde ouvimos pela voz de ex-guerrilheiros, histórias de vida em tempos de guerra e de paz. Por fim, chegamos à Nicarágua, onde relaxamos uns dias na ilha vulcânica de Ometepe, um paraíso ecológico coberto de floresta primária e polvilhado com pacatas aldeias que se dedicam à agricultura e pesca. Apaixone-se por estas e outras paisagens arrebatadoras e pelas histórias de coragem das suas gentes. Uma aventura memorável, numa região singular do planeta.

  • Impacto cultural
    Descobrirá países bastante ligados ao catolicismo e ao paganismo. Será acolhido de braços abertos por um povo sempre alegre e festivo.
  • Esforço físico
    Viagem com pouca atividade fisica para além de pequenas caminhadas e deslocações a pé nas cidades.
  • Nível de conforto
    Alojamentos confortáveis, mas sem desvirtuar o nosso espirito de viagem. Viajamos sobretudo de transporte privado.

23 nov a 08 dez 2017

1480 €16 Dias
Voo não incluído.  Valor indicativo: 1100€

Outras datas disponíveis:

Viagem Esgotada

Se pretender ser notificado da existência de novas vagas para esta data, subscreva a lista de interessados.

Subscrever

Percurso

Dia 1Chegada à Cidade de Guatemala e Antigua

O voo aterra no aeroporto da Cidade de Guatemala onde encontra o Eduardo para lhe dar as boas vindas. Seguimos para Antigua numa carrinha, onde descansamos a primeira noite e nos recompomos do jet-lag.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 2Antigua e Subida ao Vulcão Pacaya

A nossa aventura começa no Pacaya, um vulcão ativo e cuja última erupção, em maio de 2010, lançou gigantes correntes de lava numa assombrosa demonstração de força da natureza. Passamos o resto do dia em Antigua, uma cidade colonial que, para além de ser Património da Humanidade, tem uma organização, limpeza e segurança que mais lembra um país nórdico. Mas, estamos na América Central, a fotogenia abunda e este é o sítio ideal para passar o dia de máquina fotográfica na mão. Vamos deambular pela cidade, passear no mercado e descansar as pernas sentados na Praça Central. No fim do dia, divirta-se com uma aula de salsa e merengue - o passaporte para nos misturarmos com os locais.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 3Antigua

De manhã, visitamos o “Cerro de la Cruz”, um miradouro com uma vista soberba sobre a cidade. Seguimos em direção a uma pequena aldeia nos arredores de Antigua, com uma forte presença indígena. Acompanhados de um xamã local, participamos numa cerimónia Maia, um ritual secular e bastante peculiar desta região. O resto da tarde é livre. Perca-se nas ruas de Antigua, aproveite para visitar os mercados de artesanato, as galerias de arte ou relaxe numa das dezenas de esplanadas da cidade. À noite, aventuramo-nos numa das discotecas desta animada cidade.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 4Lago Atitlan

Hoje, seguimos viagem até ao mágico lago de Atitlan, num dos famosos “chicken bus”, autocarros coloridos que rapidamente se enchem de locais, descendentes de Maias, com os seus trajes multicolores e sorrisos abertos. Descrito por Aldous Huxley como o lago mais belo do mundo, o Atitlan é um paraíso natural na Terra. Das suas margens elevam-se vulcões que trespassam as nuvens. Aqui a palavra tempo ganha um novo sentido, as horas param e a vida corre ao sabor do sol, das estrelas, das marés. Instalados à beira-lago, com uma vista de cortar a respiração, aproveitamos as últimas horas de luz solar para mergulhar e relaxar nas tranquilas águas do Atitlan.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 5Lago Atitlan

Passamos o dia na idílica aldeia de San Marcos. Famosa por atrair legiões de estrangeiros que acreditam na potente energia cósmica do Atitlan, a pequena aldeia indígena alberga hoje dezenas de centros holísticos, de yoga, de reiki, entre tantos outros géneros de esoterismo. Cósmica ou não, a natureza aqui é raínha e convida-nos a banhos, passeios de kayak e caminhadas tranquilas.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 6Viagem para El Salvador

Hoje seguimos para Juaya, a nossa primeira paragem em El Salvador. Vila colonial no coração da zona cafeteira de El Salvador, Juaya insere-se na “ruta de las flores”, conhecida pela explosão de flores silvestres que se dá todos os anos entre outubro e fevereiro. No caminho, paramos na praia para almoçar debaixo de coqueiros e para dar uns mergulhos nas amenas águas do Pacífico.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Albergue

Dia 7Ruínas Maias Tazumal e Perquin

Acordamos cedo para uma caminhada até aos “Chorros de la Calera”, uma série de quedas de água e piscinas naturais escondidas na selva salvadorenha. À tarde, visitamos as ruínas maias de Tazumal - as mais importantes e bem preservadas de El Salvador e ponto de partida para descobrirmos a história desta civilização, uma das mais evoluídas e surpreendentes da história da humanidade. Seguimos viagem até Perquin, pequena e acolhedora aldeia de montanha, conhecida como a capital guerrilheira de El Salvador.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 8Perquin

Hoje, o dia é dedicado ao passado, ao presente e ao futuro de El Salvador. Uma jornada comovente e cheia de histórias contadas na primeira pessoa por ex-guerrilheiros da FMLN (atualmente guias da “Ruta de la Paz”). Começamos por visitar a aldeia de El Monzote, um pequeno “pueblo” famoso pelas atrocidades cometidas durante a Guerra Civil. Pela tarde, visitamos o Museu de la Revolucion Salvadoreña e perdemo-nos num antigo acampamento guerrilheiro.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 9Perquin: Acção Social "Escola Feliz"

Porque acreditamos que viajar deve ser uma experiência mais profunda do que apenas conhecer novos destinos, hoje o dia é dedicado a uma ação social. Em colaboração com a ONG Amún Shéa, visitamos a escola local, onde vamos conhecer o trabalho desenvolvido por esta ONG e oferecer equipamento escolar. Após o almoço na cantina da escola – o mais animado da nossa aventura – separamo-nos dois a dois. Cada par de viajantes vai para a casa de um dos alunos. Durante a tarde, as crianças e as suas famílias serão os seus “guias”. E tudo pode acontecer. Desde amassar pão, apanhar arroz, ou simplesmente ouvir histórias à volta do fogo. Um intercâmbio cultural genuíno, em família, sem limites. A melhor forma de conhecer o que há de mais rico neste pedaço da América Latina – a hospitalidade, a simplicidade e uma alegria contagiante. Respiramos o país real, visto por dentro. E como esta é uma iniciativa Nomad – não repetida por qualquer outra agência - podemos esperar uma receção calorosa e acima de tudo, autêntica. Uma experiência inesquecível. Ao final da tarde, o Eduardo vai passar em cada uma das casas para ir buscar os viajantes.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 10Viagem para a Nicarágua - León

Saímos de madrugada em direção à Nicarágua. O destino é León, uma cidade colonial de tons pastel. Com fama revolucionária e artística, Léon alberga a maior catedral da América Central. Durante a tarde, perdemo-nos por igrejas, mercados e museus desta carismática cidade. Após um merecido descanso, deixamo-nos embalar noite fora pelos sons latinos de Léon.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 11León e Costa do Pacífico

A manhã de hoje é livre. Aproveite para relaxar na Praça Central ou para deambular pela cidade universitária da Nicarágua. Existe um programa alternativo para os mais corajosos: descer um vulcão numa prancha. Chamam-lhe “vulcano boarding” e a CNN incluiu esta atividade numa lista de “10 coisas para fazer antes de morrer”. À tarde, imitamos os locais e fugimos do rebuliço da cidade. Rumamos até Las Penitas - uma praia famosa entre os surfistas – para celebrar o sol e o mar.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 12 Lago Ometepe

Arrancamos cedo para Ometepe, a maior ilha de água doce do mundo. No caminho, paramos em Masaya para visitar o mais importante mercado de artesanato do país. Formada por dois vulcões que se “plantaram” no meio do lago Nicarágua, Ometepe é um paraíso ecológico, coberto de floresta primária e polvilhado com pacatas aldeias que se dedicam à agricultura e pesca.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 13Lago Ometepe

Tal como os locais, passamos a manhã em cima de uma sela. Sem pressa, atravessamos a cavalo uma enorme fazenda até chegar a uma fabulosa cascata no meio da selva. A água cristalina cai a vários metros de altura, uma imagem memorável. A tarde é livre para explorar o “pueblo”, relaxar nas redes que aqui abundam ou dar um mergulho nas águas mornas do lago.  À noite, uma família local acolhe-nos à sua mesa. Provamos as iguarias da região e passamos um serão animado, uma experiência cultural bastante rica que não irá esquecer.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 14Granada

Seguimos para Granada, uma cidade com quase 500 anos de história e cuja exuberante herança colonial tem vindo a ser restaurada com aprumo, rivalizando com Antigua (na Guatemala) como a mais bela cidade da América Central. Virada para o Lago da Nicarágua, Granada é o sítio ideal para deambular, puxar da máquina fotográfica ou procurar uma esplanada para nos sentarmos a ver a vida passar.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 15Granada

A manhã começa com um passeio de caleche, um meio de transporte outrora bastante utilizado pelos locais. À boleia das coloridas caleches, descobrimos os principias monumentos da cidade. É chegada a hora de mais uma ação social. Deslocamo-nos ao “Café de las Sorrisas”, um projeto levado a cabo pela ONG “Tio Antonio”. Descubra e participe no extraordinário esforço desenvolvido por esta associação no apoio a crianças com deficiências e famílias carenciadas. Um trabalho meritório que conta com o apoio da Nomad. A tarde é livre, neste local perfeito para se “perder” nas galerias, lojas e museus da cidade. É hora da despedida e nada melhor que brindar ao som do merengue e da salsa, numa das cidades mais icónicas da região.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 16Managua e Voo de regresso

A grande aventura centro-americana chegou ao fim e agora é tempo de regressar. De acordo com o seu voo, o Eduardo leva-o ao aeroporto internacional de Manágua. Fim dos nossos serviços.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: -

Inclui:

Alojamento durante todo o programa
9 pequenos-almoços
Transportes locais
Acompanhamento de líder Nomad durante toda a viagem
Subida ao vulcão Pacaya, entrada nas Ruínas na Tazumal
Aula de salsa
Contribuição para material escolar do projeto "Escola Feliz"
Transferes de aeroporto (dentro das datas do programa)

Exclui:

Voos internacionais
Alimentação não especificada (cerca de 20€/ dia)
Visitas não especificadas
Passeio de cavalo (cerca de 30€)
Vulcano boarding (cerca de 30€)
Extras pessoais como bebidas, telefone, etc
Vistos e Taxas Locais
Seguro pessoal
Taxas de aeroporto

Perguntas Frequentes

  • Para fazer esta viagem preciso de visto?

    Não são pagos vistos, mas taxas de entrada e saída. A Guatemala e El Salvador não cobram taxas. As Honduras (que atravessamos) cobra uma taxa de 3USD e a Nicarágua cobra uma taxa de 12USD.
    Estes países estão abrangidos pelo acordo de fronteiras que permite a “livre circulação”.

  • Como são os alojamentos durante esta viagem?

    Na América Central, o sistema de classificação de hotéis não é tão rígido quanto na Europa, pelo que não é possível fazer uma avaliação regendo-nos pelos nossos padrões. Assim sendo, o tipo de oferta nesta viagem é quase sempre em pequenos estabelecimentos. Os quartos normalmente têm duas camas mas nalguns casos o grupo divide-se por individuais e triplos – quando enchemos por completo os pequenos hotéis. As casas-de-banho têm água quente. São chuveiros “latinos” com pouca pressão e aquecidos com sistemas eléctricos.
    Têm sempre sanitários europeus e são abastecidas de papel higiénico e toalhas. A maioria oferece wifi.

  • Podem reservar-me os voos internacionais?

    Sim, pode tratar de todos os seus voos com a nossa agência. O voo não está incluído no preço da viagem para que possa ter a flexibilidade de escolher onde quer comprar o voo e de onde quer partir.

  • Se pretender chegar a Antigua uns dias mais cedo posso reservar convosco o alojamento? E se pretender ficar mais dias em Granada no fim da viagem?

    Se pretender chegar a Antigua um ou mais dias antes da data de início da viagem podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos na viagem. No entanto, isso estará sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faça o pedido assim que saiba as datas da sua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-lhe a informação de preço e disponibilidade. Da mesma forma, podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos em Granada, no final da viagem.

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tem a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais lhe agradar.

  • Se os voos são marcados de forma individual, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    Quer marque o voo por si ou através de nós, e independentemente do seu ponto de partida, nós ficaremos com os seus detalhes de voo para que possamos passá-los ao Líder Nomad. Desta forma, ele estará à sua espera no aeroporto para o levar para junto do resto do grupo.

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Sim, maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho. E não tem que pagar qualquer suplemento por isso. 

  • Com quem irei partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • O que preciso levar para as ações sociais?

    Acima de tudo, boa vontade e um sorriso. Nesta viagem, existem dois momentos de ação social.

    Em El Salvador visitamos uma escola que, apesar de estar inserida no meio rural, é um modelo de sucesso. A tarde é passada pelos viajantes (dois a dois) com um dos alunos da escola e a sua família. Se quiser levar uma recordação de Portugal com alguma história - uma camisola do seu clube de futebol, um bordado da avó, uma garrafa de vinho, um postal - quem o recebe ficará seguramente encantado, e será um bom motivo de conversa. Mais uma vez é tudo facultativo e conta a imaginação e vontade do viajante.

    Na Nicarágua visitamos o Centro Social Tio António, uma instituição apoiada pela Bolsa de Exploração Nomad. Esta associação apoia jovens de famílias desfavorecidas, através de vários projetos inovadores. Durante parte da manhã, visitamos a sede da organização, no coração da cidade de Granada e almoçamos no seu “Café de las Sorrisas”.

  • Esta viagem exige cuidados de saúde especiais?

    A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina (https://www.consultadoviajante.com) como meio preferencial para o seu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projecto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. A consulta deverá ser feita com um mínimo de 1 mês da data de partida para a viagem.

Resumo de viagem

Destinos

Guatemala, El Salvador, Nicarágua

Atividades

Descoberta cultural, Ação social, Caminhada

Dormida

Hotel - 14 noites, Albergue - 1 noite

Transportes

Carrinha, Autocarro, Barco, Ferryboat

Reservas

Min: 5 | Max: 10

Voo não incluído

Valor indicativo: 1100€

Testemunhos

Nada me deu mais gozo do que sair da minha zona de conforto e apreciar a evolução á medida que os dias foram passando.Obrigada por isso.
Cátia D.
A viagem correspondeu às minhas expectativas, são países muito pobres mas muito ricos nas paisagens, as pessoas são muito afáveis e simples.
Maria A.
É uma viagem extraordinaria, com muita diversidade de aventuras e que permite um interacção muito forte com a população local.
Vera M.