Viagem Esgotada

De Machu Picchu ao Salar Uyuni

Com António Luís Campos 13 jun a 01 jul 2017

O Peru e a Bolívia são os portadores do legado das civilizações Inca e Aymara, que se encontra distribuído por um território dominado pela imponente cordilheira dos Andes.

Parta neste périplo sul-americano atravessando uma grande diversidade de paisagens, desde a cidade perdida de Machu Picchu ao maior deserto de sal do mundo, sem esquecer as singulares ilhas do Lago Titicaca. Descobrimos La Paz e desafiamos a altitude de jipe, no deserto de Uyuni, onde nos deixamos perder numa paisagem sem horizonte a 5000m de altitude.

  • Impacto cultural
    Dois países onde o catolicismo e o paganismo andam de mãos dadas. Será recebido por pequenas comunidades onde os costumes são diferentes do a que está habituado.
  • Esforço físico
    Caminhadas em altitude, como a da ilha do Sol ou a subida ao Machu Pichu. No entanto, as atividades estão ao alcance de todos.
  • Nível de conforto
    Alojamentos simples, mas asseados. Uma das noites é passada a bordo de um autocarro. Viajamos sobretudo de transportes públicos.

13 jun a 01 jul 2017

1950 €19 Dias
Voo não incluído.  Valor indicativo: 1300€

Outras datas disponíveis:

Viagem Esgotada

Se pretender ser notificado da existência de novas vagas para esta data, subscreva a lista de interessados.

Subscrever

Percurso

Dia 1Chegada a Lima

À chegada ao aeroporto vai encontrar à sua espera o líder Nomad António Luís Campos. Mediante a sua hora de chegada, pode aproveitar o tempo para deambular pelas ruas da cidade, tendo o primeiro contacto com a população e a cultura locais.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 2Lima

Lima é uma cidade colonial por excelência, conhecida pelas praças e varandas dos edifícios e fundada por Francisco Pizarro em 1535. A pé e de transportes “coletivos”, vamos conhecer a Plaza de Armas, guardada pela sua catedral, e as catacumbas do Mosteiro de São Francisco. Antes de deixarmos a capital peruana mergulhamos no colorido bairro de Barranco, na costa, e atravessamos a Puente de los Suspiros. Ao anoitecer partimos pela mítica estrada Pan-Americana em direção à Reserva Nacional de Paracas.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 3Ilhas Ballestas, Huacachina e Nazca

Logo pela manhã, antes de se levantarem os primeiros ventos, partimos de barco para as Ilhas Ballestas na Reserva de Paracas, onde podemos observar pinguins, leões-marinhos e gansos-patolas aos milhares, entre outras espécies. No regresso, propomos para o almoço um dos mais famosos símbolos da gastronomia peruana: o ceviche. Depois da refeição, ainda pela Pan-Americana fora, partimos em direção à “sobrenatural” cidade de Nazca. Temos ainda tempo para visitar uma das maiores dunas do mundo, em Huacachina. Aqui vai poder disfrutar dos dois momentos de pura diversão da viagem -percorrer a zona de buggy e experimentar sandboard.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 4Linhas de Nazca

Em 1939, o cientista norte-americano Paul Kosok colocou esta cidade no topo das atenções mundiais, ao descobrir as enigmáticas Linhas de Nazca. Se não tiver medo das alturas propomos-lhe uma visita aérea, de onde vai poder observar toda a vastidão destes curiosos desenhos. Durante a tarde, vistamos um complexo arqueológico no deserto e perdemo-nos pelas ruas desta pequena cidade. Não estranhe se se cruzar com pessoas que lhe digam que já avistaram extraterrestres e viveram experiências paranormais. Nesta mesma noite, seguimos numa longa viagem de autocarro até Cusco, que nos vai permitir uma aclimatação progressiva à altitude. Entramos no domínio dos Andes, acima dos 3000m de altitude.

Alimentação: Pequeno-almoço e jantar

Dormida: Autocarro noturno

Dia 5Cusco

A 3300m de altitude, Cusco era o "umbigo do mundo", o coração do império Inca. Este império, que até ao séc. XV ainda desconhecia a escrita ou, simplesmente, a roda, é um dos mais fascinantes redutos culturais do mundo. Na mais antiga cidade habitada do continente americano vai ter a oportunidade de recuperar as energias e o fôlego enquanto redescobrimos as curiosidades de um lugar que é património da Unesco. Este dia é maioritariamente repousado e com muito tempo livre, pois o corpo assim o pede. Almoçamos no mercado central e aproveitamos a tarde para comprar as célebres folhas de coca!

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 6Vale Sagrado dos Incas

Hoje exploramos o vale sagrado dos Incas e algumas das suas povoações mais relevantes. Segundo este povo, era aqui que se produzia o melhor milho de todo o império. Vamos ver locais como Pisac, um dos mais importantes cemitérios desta civilização, onde podemos observar diversos traços arquitetónicos característicos da evoluída engenharia da época. Seguimos pelo vale até nos determos em Urubamba. Aqui, visitamos a Kiya Survivors, uma ONG com quem colaboramos e que é responsável por um centro que acolhe crianças com necessidades especiais. Ao longo dos últimos anos, através dos viajantes Nomad, temos apoiado a Soledad, hoje uma jovem já autónoma. Atualmente é o Juanito quem beneficia desse apoio, cujas despesas de educação são suportadas pela Bolsa de Exploração Nomad. Vai ter oportunidade de ficar saber mais sobre o trabalho desta organização e de ver o dia a dia do centro. Ao final da tarde chegamos à aldeia de Ollantaytambo. Visitamos a fortaleza, um dos últimos redutos da resistência Inca e partimos depois de comboio para a povoação de entrada da impressionante cidade de Machu Picchu, Aguas Calientes.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 7Machu Picchu

A visita à cidade perdida de Machu Picchu, considerada uma das sete maravilhas do mundo, é um dos momentos altos da nossa viagem. Devido à sua localização, ficou durante séculos oculta entre a vegetação densa. O desconhecimento de como foi construída, ou para que função foi erguida, faz deste local um dos mais enigmáticos do mundo. Arrancamos de madrugada em direção à cidadela, encosta acima, para termos tempo para descobrir os seus recantos. É possível ver o setor agrícola e urbano, onde se distingue a colina onde se encontravam as residências, palácios e templos. Pare na Porta do Sol, olhe para a Ponta Inca, detenha-se com as ruínas à sua frente e sinta a energia do local. À tarde, descemos para Aguas Calientes para almoçar e apanhar o comboio que nos leva de regresso a Cusco.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 8Cusco

Cusco é uma das mais surpreendentes cidades da América Latina, merecendo por isso todo o tempo do mundo para ser explorada, a pé, sem pressas, agora que já estamos aclimatados à altitude. Vamos espreitar o bairro dos artesãos em San Blás, de onde, ao anoitecer, a cidade parece um imenso presépio. Seguimos ao encontro dos contrastes entre a arquitetura colonial espanhola e os vestígios dos palácios Incas, como o Templo do Sol, ou Qoricancha, parcialmente destruído, sobre o qual viria a ser construída a igreja de São Domingo.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 9De Cusco a Uros

Entre Cusco e Puno, nas margens do Titicaca, estende-se um vale verdejante por onde viajamos durante o dia. Descontraia, aprecie a singularidade das pequenas povoações peruanas e contemple as suas grandiosas paisagens. Num longo dia de estrada, o planalto andino desenrola-se perante a nossa janela e sentimo-nos cada vez mais longe da civilização. O cenário de fundo é de campos agrícolas, lamas e pequenas aldeias, com os cumes nevados dos Andes a marcar o horizonte. Parece o postal turístico do Peru em frente aos nossos olhos, Ao final da tarde chegamos ao porto de Puno e, ao anoitecer, partimos para um dos locais mais singulares do mundo, as ilhas flutuantes de Uros, uma pequena região constituída por algumas dezenas de comunidades lacustres, construídas à base de junco e onde residem os mais genuínos Aymaras. Em condições muito simples, pernoitamos em pequenas palhotas com uma família local. O alojamento é muito básico, mas a hospitalidade dos nossos anfitriões compensa largamente a falta de conforto. Cumprimente a família que nos vai receber com um “Kamiseraki” (Bem-vindo, em Aymara) e deixe-se embalar pelas águas do Titicaca. Adormeça com a certeza de que está a viver um momento único na vida!

Alimentação: Pequeno-almoço e jantar
Dormida: Casa familiar

Dia 10Lago Titicaca: Taquille

Vencendo a resistência natural ao tão caraterístico frio matinal do Titicaca, despertamos em palhinhas deitados para presenciar um inesquecível nascer do sol. Este lago é o bastião da cultura pré-colombiana Aymara e da civilização Inca. Navegamos até à ilha de Taquille, onde passamos esta noite. Aproveite o tempo livre para ler ou, simplesmente, descansar. Os habitantes locais vivem num modo comunitário sobre o lema “Ama sua, ama llulla, ama qhilla” (na língua dos Incas, o quechua, significa “não roubes, não mintas, não sejas preguiçoso”). Ao início da tarde chegamos a casa de Elias Quispe, percorrendo a pé parte da ilha, que não tem estradas nem carros, onde somos certamente recebidos com um mate de munha e muito boa disposição.

Alimentação: Pequeno-almoço, almoço e jantar

Dormida: Casa familiar

Dia 11Lago Titicaca: Puno

Os mais afoitos podem aproveitar a manhã para mergulhar nas águas límpidas do Titicaca, numa praia deserta de areias brancas – só os coqueiros estão ausentes, mas a vista para os picos nevados da Bolívia compensa! Viajar no mais alto lago navegável do mundo, local que deu origem ao império Inca a 3800m de altitude, é um momento inesquecível em toda esta aventura. À tarde, numa viagem relaxada no deck do barco, chegamos ao porto de Puno. Celebramos os últimos dias e despedimo-nos do Peru com uma sopa criola e um mate de coca.

Alimentação: Pequeno-almoço e almoço
Dormida: Hotel

Dia 12De Puno à Ilha do Sol

Partimos rumo à fronteira de Yunguyo, no primeiro autocarro da manhã. Depois das habituais formalidades alfandegárias, entramos na Bolívia e rumamos à cidade de Copacabana, do outro lado do Titicaca. Voltamos a navegar nas águas do lago e seguimos para a Ilha da Lua. À nossa espera vai estar o Max para nos dar de almoçar na sua casa. Com apenas 25 famílias e sem qualquer estrada, a ilha atravessa-se de um lado ao outro em 20 minutos! Depois de conhecer a realidade desta comunidade, voltamos ao lago e, ao fim da tarde, atracamos na vizinha Ilha do Sol. Foi aqui que, segunda a lenda, o deus Viracocha fez aparecer Manco Capac, o primeiro Inca. Recheado de crenças e mitologias, esta ilha deve o seu nome ao elemento da criação, o sol, e nela podemos usufruir de uma calma singular.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Albergue

Dia 13Da Ilha do Sol a La Paz

Despertamos no local que originou a mitologia Inca. Passeamos pelas suas veredas e ruínas e temos o privilégio de tocar nas rochas mais sagradas de um império que ocupou uma área que ia da Colômbia ao Chile, um dos mais poderosos da América do Sul. Descontraidamente vamos atravessar a pé parte da ilha, numa caminhada a 4000m de altitude, com vistas de tirar o fôlego, em que paisagens deslumbrantes se desvendam a cada colina vencida! Depois, para retemperar forças, deliciamo-nos com uma truta pescada no Titicaca e navegamos para Copacabana onde nos espera uma carrinha que nos vai levar à maior cidade da Bolívia - La Paz.

Alimentação: -
Dormida: Hotel

Dia 14La Paz

Dia completo pelas ladeiras de La Paz! Nuestra Señora de La Paz é uma cidade acidentada onde os ricos vivem no vale e os pobres nas montanhas. É uma urbe de elevados contrastes sociais, ruas coloridas e bancas de rua. No mercado das bruxas ainda se podem comprar ervas medicinais, poções mágicas, remédios tradicionais e ... patas de rã. Ao final do dia, subimos a bordo de um autocarro de longo curso, em direção ao extremo sul da Bolívia. Dormimos a bordo. Não será certamente a noite mais confortável da viagem, mas tente dormir para estar com forças para a parte final desta epopeia sul americana.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Autocarro noturno

Dia 15Uyuni

De madrugada chegamos à cidade de Uyuni, a cidade que dá nome ao maior deserto de sal do mundo. Esticamos as pernas após a noite de autocarro e tomamos um descontraído pequeno-almoço. Depois, carregamos as mochilas no tejadilho de grandes jipes, e partimos para uma aventura de três dias por uma das paisagens mais inóspitas do planeta. Estamos na Reserva Nacional Eduardo Avaroa, no deserto do sul da Bolívia, que se toca na fronteira com o Atacama chileno. Estes cenários são guardadas por imponentes vulcões que definem a paisagem. Lagoas coloridas, flamingos rosa, fontes termais e um horizonte indescritível, polvilhado por neve, marcam este dia, literalmente o ponto alto da viagem, a tocar os 5000m de altitude!

Alimentação: Pequeno almoço, almoço e jantar
Dormida: Albergue

Dia 16Deserto de Uyuni

Na vastidão do deserto, só se ouve o silêncio, por vezes interrompido pelo cantar do vento que traz o pó que se enfia por todo o lado e atravessa a nossa roupa e bagagem. Aqui os tons ocres dominam a paisagem e espere várias surpresas geológicas ao longo do dia! Com o “Velho Expresso da Patagónia” de Paul Theroux debaixo do braço rumamos agora à joia da coroa, para o final desta incursão pelo extremo meridional boliviano. Usufrua de uma noite num lugar insólito, um albergue onde tudo é feito de sal: camas, paredes, mesas, bancos e até o chão!

Alimentação: Pequeno almoço, almoço e jantar
Dormida: Albergue

Dia 17Salar de Uyuni e Voo para La Paz

No último amanhecer no deserto, entramos finalmente no Salar de Uyuni. Estamos entre o céu e a terra. Isto, somado à imensidão da paisagem, permite ver qualquer objeto ou pormenor, por mais longe que ele esteja. Se, numa só palavra, conseguíssemos descrever este deserto de sal, essa palavra teria de ser: vazio. O branco do chão e do céu retiram-nos qualquer noção de horizonte, de perspetiva ou de profundidade. Não fossem os restantes elementos do grupo e estaríamos completamente embrenhados no vazio. À tarde voamos para La Paz, onde nos espera uma confortável cama para nos acolher após estes intensos dias no deserto.

Alimentação: Pequeno-almoço e almoço
Dormida: Hotel

Dia 18La Paz

Sem pressas, dedicamos o último dia da viagem ao bulício de La Paz, contemplando a sua malha urbana, em que executivos de fato e gravata partilham as ruas com senhoras de chapéu de coco e garridas saias. As mesmas ruas onde adivinhos leem o futuro pelas cartas, nas esquinas de mercados que fazem as delícias das compras dos estrangeiros. Para celebramos o final da viagem, terminamos o dia num lugar especial, com uma vista de águia sobre o caldeirão onde La Paz se implantou há mais de 200 anos atrás.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: Hotel

Dia 19La Paz e Voo de Regresso 


Mediante o seu plano de voo, o António acompanha-o ao aeroporto. Fim dos nossos serviços.

Alimentação: Pequeno-almoço
Dormida: _

Inclui:

Alojamento durante toda a viagem
15 pequenos-almoços, 5 almoços, 5 jantares
Transportes locais
Acompanhamento de líder Nomad durante toda a viagem
Entrada e guia local nos monumentos do Vale Sagrado
Entrada na Reserva Eduardo Avaroa (Uyuni)
Entrada em Machu Picchu
Taxas de visita às ilhas do Titicaca
Transferes de aeroporto (dentro das datas do programa)

Exclui:

Voos internacionais
Taxas de aeroporto
Alimentação não especificada (cerca de 25€/ dia)
Entradas na Reserva de Paracas, com a respetiva viagem de barco (15€ aprox)
Percurso de buggy e sandboard em Huacachina (9€ aprox)
Voo em Nazca (75€ aprox)
Entradas em monumentos, parques naturais e guias locais (20€ aprox)
Visitas não especificadas e atividades extra
Extras pessoais como bebidas, telefone, etc
Seguro pessoal

Perguntas Frequentes

  • Para fazer esta viagem preciso de visto?

    Quer no caso do Peru como da Bolívia, os viajantes portugueses não precisam de visto. Basta apresentar o passaporte, com validade minima de 6 meses após a data de regresso, onde é carimbada a autorização de permanência no país por tempo determinado.

     

  • Como são os alojamentos durante esta viagem?

    O Peru e a Bolívia são países habituados a lidar com turismo, onde a oferta hoteleira é vasta e de todas as gamas. Dadas as características desta viagem, e com o objectivo de estarmos mais perto do "acontecimento", privilegiamos os alojamentos localizados em zonas centrais e típicas, para estarmos perto das pequenas praças e dos cafés mais intimistas. Os quartos nos hoteis têm casa de banho privativa com água quente. Não é habitual estes terem computadores com internet à disposição dos hóspedes, no entanto, o acesso a wifi é generalizado. Em alguns casos, estaremos alojados em edifícios históricos. No Titicaca seremos recebidos por famílias locais, nas suas casas, e no Salar de Uyuni, pelo isolamento, a dormida é em refúgio e albergue.
    A viagem de autocarro entre Nazca e Cusco é feita em primeira classe. As poltronas reclinam como um lugar de avião em executiva, atingindo quase a posição horizontal. São espaços muito confortáveis com almofada e manta. O único contratempo desta viagem é que, em 14h, vencemos 3000 metros e a adaptação à altitude, embora de uma forma gradual (e muito mais progressiva do que num avião), é bastante desgastante.

  • Terei problemas com a altitude nesta viagem?

    Não é provável que venha a sentir nada de grave, para além de algum desconforto pontual, como dores de cabeça e enjoos. No entanto, isso dependerá da reação individual do seu organismo. Em viagem, precavenha-se bebendo muitos líquidos e leve aspirinas para as dores de cabeça que possa vir a ter. Caso tenha alguma doença crónica ou condição particular consulte o seu médico para aconselhamento.

  • Podem reservar-me os voos internacionais?

    Sim, pode tratar de todos os seus voos com a nossa agência. O voo não está incluído no preço da viagem para que possa ter a flexibilidade de escolher onde quer comprar o voo e de onde quer partir.

  • Se pretender chegar a Lima uns dias mais cedo posso reservar convosco o alojamento? E se pretender ficar mais dias em La Paz no fim da viagem?

    Se pretender chegar a Lima um ou mais dias antes da data de início da viagem podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos na viagem. No entanto, isso estará sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faça o pedido assim que saiba as datas da sua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-lhe a informação de preço e disponibilidade. Da mesma forma, podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos em La Paz, no final da viagem.

     

  • O grupo viaja em conjunto desde Portugal?

    Não. Nas nossas viagens, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tem a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais lhe agradar.

  • Se os voos são marcados de forma individual, como é que se faz a reunião do grupo à chegada?

    Quer marque o voo por si ou através de nós, e independentemente do seu ponto de partida, nós ficaremos com os seus detalhes de voo para que possamos passá-los ao Líder Nomad. Desta forma, ele estará à sua espera no aeroporto para o levar para junto do resto do grupo.

  • Posso inscrever-me sozinho? Isso acarreta algum custo adicional ao valor da viagem?

    Sim, maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho. E não tem que pagar qualquer suplemento por isso. 

  • Com quem irei partilhar a minha viagem? Como são os viajantes Nomad?

    Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

  • Esta viagem exige cuidados de saúde especiais?

    A Nomad recomenda a Consulta do Viajante em Telemedicina (https://www.consultadoviajante.com) como meio preferencial para o seu aconselhamento médico. O Dr. Diogo Medina, responsável por este projecto, é um viajante que entende a nossa maneira de ver o mundo e as necessidades inerentes a uma viagem aventura. A consulta deverá ser feita com um mínimo de 1 mês da data de partida para a viagem.

Resumo de viagem

Destinos

Peru, Bolívia

Atividades

Descoberta cultural, Caminhada, Navegação

Dormida

Hotel - 11 noites, Albergue - 3 noites, Casa Familiar - 2 noites, Autocarro - 2 noites

Transportes

Comboio, Autocarro, Barco, Carro, Avião

Reservas

Min: 6 | Max: 12

Voo não incluído

Valor indicativo: 1300€

Testemunhos

Foi uma viagem muito completa, sinto que não deixei nada por ver, nem fazer, nem sentir.
Ana R.
Gostei em particular de termos sido levados a um contacto mais próximo com as populações. Ficará na minha memória como uma das melhores experiências de viagem que já tive.
Nuno S.
Uma viagem fantástica por paisagens deslumbrantes. Alguns sonhos realizados. Um grupo inesquecível.
Helena A.