COVID-19 INFORMAÇÕES AOS VIAJANTES

Na Nomad estamos em monitorização constante dos destinos onde operamos, através de fontes oficiais e da nossa rede de contactos locais. Consulta aqui o impacto da COVID-19 nas viagens Nomad.

A segurança e saúde dos viajantes, dos líderes e das comunidades que nos acolhem são a prioridade da Nomad. Ao longo de mais de uma década, vimo-nos várias vezes na contingência de realizar alterações significativas em viagens por fenómenos de saúde pública, ordem natural ou convulsões políticas, tumultos e guerras. Hoje, mais do que nunca, toda a estrutura Nomad está em permanente alerta para ativar programas e políticas de viagem alternativos, como resposta à COVID-19. A Nomad continua a monitorizar e a comunicar as condições dos destinos onde opera de forma atualizada para que o ato individual de viajar seja responsável e consciente.

VIAGENS COM ALTERAÇÕES

Consulta as viagens que irão para o terreno com alterações ao programa, com o objetivo de assegurar todas as condições de segurança e padrões de qualidade Nomad.

As viagens não listadas estão programadas para se realizarem normalmente.

Os estados descritos não são finais e poderão ser atualizados regularmente, se necessário. Se estás inscrito numa viagem Nomad continuarás a receber diretamente atualizações regulares sobre o estado da tua viagem.   


Travessia dos Picos de Europa com Tiago Costa
04 a 10 outubro

A fronteira entre Portugal e Espanha reabriu no dia 1 julho. No início do mês de junho, os refúgios nos Picos de Europa começaram a operar de forma faseada. Como medida preventiva, as autoridades espanholas reduziram a lotação dos refúgios. Desta forma, no refúgio de Urriellu haverá menos pessoas por camarata, já o refúgio do Collado Jermoso está reservado inteiramente para o grupo Nomad. Será obrigatório o uso de máscaras nas áreas comuns dos refúgios. O itinerário, bem como as experiências de viagem mantêm-se inalterados.

Pelas Ilhas da Atlântida com António L. Campos
08 a 15 outubro

As companhias aéreas já retomaram voos comerciais para os Açores. Atualmente, é obrigatório apresentar um teste de despiste ao SARS-CoV-2 com resultado negativo realizado nas 72 horas anteriores à chegada à região autónoma dos Açores, bem como um teste seis dias após o primeiro teste. Os testes são comparticipados pelo governo regional dos Açores. Estas medidas serão re-avaliadas a cada duas semanas. Temos a confirmação que todas as atividades programadas serão realizadas sem alterações significativas. Como medida preventiva, o governo regional reduziu a lotação nos alojamentos e transportes públicos. Desta forma, os alojamentos onde pernoitamos estarão limitados a dois terços da sua lotação, bem como os barcos inter-ilhas. Será obrigatório o uso de máscara nas áreas comuns dos alojamentos e nos barcos inter-ilhas, bem como noutras infra-estruturas públicas como restaurantes.

    VIAGENS CANCELADAS

    Cancelámos todas as viagens entre o dia 16 março até ao dia 31 de julho.

    Consulta as viagens canceladas após este período:

    • Montanhas da Transilvânia, 1 a 11 de Agosto
      A Roménia abriu as suas fronteiras a poucos países a 15 de Junho. Para pessoas oriundas da maioria dos países, incluindo Portugal, as medidas de quarentena/auto-isolamento de 14 dias foram mantidas e não existe qualquer previsão de até quando esta restrição terá efeito. O plano de desconfinamento na Roménia também tem evoluído muito lentamente. Assim sendo, é impossível garantir as condições necessárias para a realização desta viagem dentro dos padrões de segurança e qualidade da Nomad.

    • Montanhas Malditas, 06 a 15 agosto
      No dia 12 de junho, o Instituto de Saúde Pública de Montenegro decretou que cidadãos oriundos de países com 25 ou mais infectados com COVID-19 por 100 mil habitantes estão interditos de entrar ou permanecer no país. O estado da doença em Portugal leva a que o nosso país integre esta lista. Apesar da situação poder evoluir favoravelmente, à data, é impossível garantir as condições para a realização desta viagem dentro dos padrões de segurança e qualidade da Nomad.

    • Exploração da Mongólia, 23 de Agosto a 9 de Setembro
      O governo mongol restringiu a entrada no país até 30 de Junho e suspendeu todos os voos internacionais. Prevê-se que estas medidas sejam renovadas e prolongadas por tempo indefinido. A emissão de vistos também continua suspensa sem previsão de quando será retomada. Desta forma, é impossível garantir as condições necessárias para a realização desta viagem dentro dos padrões de segurança e qualidade da Nomad.

    • Rota da Seda, 06 setembro a 23 setembro
      Os países onde decorre esta viagem têm uma posição ainda muito incerta sobre as condições de segurança interna ou abertura ao turismo. A China, em particular, voltou a registar um grande aumento de casos de Covid-19, levando o governo a adoptar medidas mais restritivas. Uma vez que esta viagem exige bastante tempo para a obtenção do visto chinês (ainda sem previsão de quando poderá ser requisitado) não será possível a sua realização, mesmo que as condições locais venham a evoluir favoravelmente. Desta forma, é impossível garantir as condições necessárias para a realização desto programa dentro dos padrões de segurança e qualidade da Nomad.

    • Aventura na Islândia, 11 a 20 de setembro
      No passado dia 14 de agosto, o governo islandês anunciou novas medidas para mitigar a propagação da COVID-19 no país. Além de dois teste de despiste ao SARS-CoV-2, à chegada e quatro a seis dias após a chegada, agora, a Islândia obriga todos os viajantes a realizar quarentena até ao resultado do segundo teste ser conhecido. Desta forma, é impossível a realização deste programa dentro dos padrões de qualidade da Nomad.

    • Transiberiano, 24 setembro a 13 outubro
      Os países onde decorre esta viagem têm uma posição ainda muito incerta sobre as condições de segurança interna ou abertura ao turismo. Uma vez que esta viagem exige muito tempo para a obtenção de todos os vistos (ainda sem previsão de quando podem ser pedidos) não será possível a sua realização, mesmo que as condições locais venham a evoluir favoravelmente.

    • Tibete: Na Rota de Shangri-La, 1 a 17 de setembro
      Apesar da pouca incidência de casos na região autónoma do Tibete, o governo chinês decidiu isolar o território tibetano. À data, continua a ser impossível a entrada de turistas no território, sendo que não há previsão de alterações a este regime. A emissão de vistos também continua suspensa e sem previsão de quando será retomada. Desta forma, é impossível garantir as condições necessárias para a realização desta viagem dentro dos padrões de segurança e qualidade Nomad.

    • Descoberta do Cáucaso, 17 a 27 de setembro
      Neste momento, é proibida a entrada a cidadãos estrangeiros na Arménia. A Arménia continua a registar vários focos de COVID-19 e o governo prolongou o Estado de Emergência até 12 de agosto. Neste momento, não existe imposição de quarentena aos cidadãos, mas um dever de auto-isolamento. A maioria dos serviços, incluido transportes públicos estão a operar. É obrigatório o uso de máscara em espaços fechados. A fronteira entre a Arménia e a Geórgia permanece encerrada. Por sua vez, a  Geórgia é um exemplo de sucesso de combate à pandemia. Neste momento, o país encontra-se em fase bastante avançada de desconfinamento. Em julho, o governo de Tbilisi reabriu as fronteiras a viajantes de alguns países. Todavia, cidadãos oriundos de Portugal continuam fora da lista de viajantes sem restrições de entrada. Desta forma, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de operacionalidade e segurança no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar-te. 

    • Madagáscar: o Oitavo Continente, 25 de setembro a 12 de outubro
      O governo de Madagáscar suspendeu todos os voos internacionais até 31 de Julho. Prevê-se que esta medida seja renovada e prolongada por tempo indefinido. O estado de emergência continua em vigor sendo que os transportes públicos inter-regiões estão suspensos. Desta forma, é impossível garantir, por um lado, as condições de segurança e a operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar-te.  

    • Indochina, 27 de setembro a 16 de outubro
      Os países onde decorre esta viagem têm uma posição ainda muito incerta sobre as condições de segurança interna ou abertura ao turismo. Atualmente, o regime de entrada no Cambodja obriga à realização de um teste Covid-19 três dias antes da entrada no país. Por sua vez, o Laos continua com as fronteiras terrestres fechadas. Desta forma, é impossível garantir as condições necessárias para a realização desta viagem dentro dos padrões de segurança e qualidade Nomad.

    • Japão Ancestral, 02 de outubro a 18 de outubro
      As fronteiras do Japão continuam encerradas à maioria dos cidadão europeus ou oriundos de países europeus, entre eles Portugal. O Japão encontra-se em fase de desconfinamento, contudo, muitos serviços continuam condicionados e a maioria dos monumentos e atrações turísticas encerradas. A região norte, onde decorre a viagem Nomad, é uma das zonas mais afetadas, sendo que vários serviços, entre eles alojamentos essenciais ao programa permanecem encerrados e sem previsão de reabertura. Várias experiências-chave da viagem estão comprometidas, colocando em causa a qualidade do programa. Desta forma, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar-te. 

    • Segredos da Pérsia, 03 a 19 de outubro
      Apesar das fronteiras aéreas do Irão estarem operacionais, nenhuma companhia aérea (à exceção da Qatar Airways) está a realizar voos comerciais para o país. Oficialmente, todas as pessoas que cheguem ao Irão têm de realizar um teste de despiste à COVID-19. Dependendo do resultado, poderão ser obrigadas a realizar um período de quarentena num hotel selecionado pelas autoridades iranianas. 
      O Irão continua a ser um dos países com maior número de casos no mundo inteiro e recentemente, o governo iraniano admitiu implementar medidas mais restritas para fazer frente ao grande aumento de contaminados e mortes das últimas semanas. Muitos alojamentos e infra-estruturas, principalmente em regiões afastadas dos centros urbanos, continuam encerrados e sem qualquer previsão de abertura, comprometendo assim a qualidade do nosso programa. Desta forma, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de segurança e operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar.  

    • Ganges ao Rajastão, 05 a 20 de outubro 
      Neste momento, continua a ser impossível voar para a Índia. A Índia continua a ser um dos países com maior número de casos no mundo inteiro e recentemente, o governo admitiu implementar medidas mais duras para fazer frente ao grande aumento de contaminados e mortes das últimas semanas. Muitos alojamentos, transportes públicos e infra-estruturas continuam encerrados e sem qualquer previsão de abertura, comprometendo assim a qualidade do nosso programa. Assim, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de segurança e operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar. 

    • Deli a Kathmandu, 05 a 22 de outubro
      Neste momento, continua a ser impossível voar para a Índia. A Índia continua a ser um dos países com maior número de casos no mundo inteiro e recentemente, o governo admitiu implementar medidas mais restritas para fazer frente ao grande aumento de contaminados e mortes das últimas semanas. Muitos alojamentos e infra-estruturas, principalmente em regiões afastadas dos maiores centros urbanos, continuam encerrados e sem qualquer previsão de abertura, comprometendo assim a qualidade do nosso programa. Por sua vez, o vizinho Nepal continua a revelar indicadores animadores. Neste momento, o país mantém-se com as fronteiras encerradas, mas prevê-se que esta medida seja alterada no dia 17 de agosto. Já é possível circular internamente entre os vários estados e várias políticas de desconfinamento têm sido implementadas com sucesso. Todavia, devido à situação na Índia, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de segurança e operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar.  

    • Santuário dos Annapurnas, 18 de outubro a 1 de novembro
      Após anúncios efetuados pelo governo nepalês ao longo dos últimos meses mostrando que as fronteiras iriam abrir ao turismo internacional, os voos comerciais foram permitidos apenas para diplomatas, expatriados, ajuda humanitária e repatriamentos, onde se incluem emigrantes nepaleses que se espera que visitem o Nepal com grande volume na época dos festivais e celebrações dos últimos meses do ano.
      Não há previsão de abertura de fronteiras para turismo até final de 2020 o que impossibilita a realização das nossas viagens.

    • Japão Ancestral, 23 de outubro a 08 de novembro
      As fronteiras do Japão continuam encerradas à maioria dos cidadão europeus ou oriundos de países europeus, entre eles Portugal. O Japão encontra-se em fase de desconfinamento, contudo, muitos serviços continuam condicionados e a maioria dos monumentos e atrações turísticas encerradas. A região norte, onde decorre a viagem Nomad, é uma das zonas mais afetadas, sendo que vários serviços, entre eles alojamentos essenciais ao programa permanecem encerrados e sem previsão de reabertura. Várias experiências-chave da viagem estão comprometidas, colocando em causa a qualidade do programa. Desta forma, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar-te. 

    • Os Povos das Filipinas, 25 de outubro a 10 de novembro
      As fronteiras das Filipinas continuam encerradas a todos os viajantes. O governo filipino continua a implementar medidas mais restritas para fazer frente ao grande aumento de contaminados e mortes das últimas semanas. Muitos alojamentos e infra-estruturas, principalmente em regiões afastadas dos maiores centros urbanos, continuam encerrados e sem qualquer previsão de abertura, comprometendo assim a realização e qualidade do nosso programa. Assim, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de segurança e operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar.

    • Indochina, 01 a 20 de novembro
      Os países onde decorre esta viagem têm uma posição ainda muito incerta sobre as condições de segurança interna ou abertura ao turismo. Atualmente, o regime de entrada no Cambodja obriga à realização de um teste Covid-19 três dias antes da entrada no país. Por sua vez, o Laos continua com as fronteiras terrestres fechadas. Desta forma, é impossível garantir as condições necessárias para a realização desta viagem dentro dos padrões de segurança e qualidade Nomad.

    • Birmânia, 07 a 22 de novembro
      As fronteiras de Myanmar continuam encerradas a todos os viajantes, não havendo previsões de abertura. O governo local continua a incrementar medidas restritas para fazer frente ao aumento de contaminados e mortes na região. Muitos alojamentos e infra-estruturas, principalmente em regiões afastadas dos maiores centros urbanos, continuam encerrados e sem qualquer previsão de abertura, comprometendo assim a realização e qualidade do nosso programa. Assim, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de segurança e operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar.

    • Santuário dos Annapurnas, 08 a 22 de novembro
      Após anúncios efetuados pelo governo nepalês ao longo dos últimos meses mostrando que as fronteiras iriam abrir ao turismo internacional, os voos comerciais foram permitidos apenas para diplomatas, expatriados, ajuda humanitária e repatriamentos, onde se incluem emigrantes nepaleses que se espera que visitem o Nepal com grande volume na época dos festivais e celebrações dos últimos meses do ano.
      Não há previsão de abertura de fronteiras para turismo até final de 2020 o que impossibilita a realização das nossas viagens.

    • Malásia Express, 14 a 29 de novembro
      No início de setembro, como medida de prevenção face ao aumento de casos de COVID-19, o governo da Malásia decidiu impor quarentena obrigatória a todos as pessoas que entram no país. Esta medida será aplicada até 31 de Dezembro de 2020. Relativamente aos outros países onde a viagem decorre, Singapura começou a reabrir ao turismo. No entanto, esta reabertura faseada será bastante lenta e contida. Para já apenas alguns turistas oriundos de regiões específicas da Nova Zelândia, Malásia, China e Brunei podem entrar em Singapura. Quanto à Tailândia, o país decidiu abrir as suas fronteiras também de forma faseada e controlada. Inicialmente estava programada a abertura do país a turistas estrangeiros no dia 1 de Agosto. No entanto, esta medida não foi adoptada e atualmente, o país continua fechado ao turismo e sem previsões concretas de abertura. Desta forma, não será possível garantir as condições necessárias para a realização da viagem na data programada. .

    • De Machu Picchu ao Salar Uyuni, 18 de novembro a 06 de dezembro 
      A Bolívia abriu no início de setembro as suas fronteiras aéreas ao turismo, sendo obrigatório para a entrada prova de teste negativo de Covid-19 certificada por um consulado da Bolívia. No entanto, ainda permanecem muitas restrições no país que deverão ser levantadas ao longo dos últimos meses de 2020. Adicionalmente, o Peru está com muita dificuldade em controlar o crescimento da pandemia no seu território, sendo o segundo país mais afetando da América Latina. As suas fronteiras continuam fechadas sem previsão de abertura e ainda não há planos para o restabelecimento do turismo. Não será possível garantir as condições necessárias para a realização da viagem na data programada. 

    • Colômbia: De Bogotá ao Caribe, 19 de novembro a 06 de dezembro
      A Colômbia é um dos países mais afetados pela COVID-19 na América Latina. O país está em Estado de Emergência, sendo que todas as fronteiras encontram-se encerradas e sem previsão de mudança. Por outro lado, a grande maioria dos serviços de apoio ao turismo como alojamentos, restauração e transportes públicos continuam sem poder operar. Desta forma, à data de hoje, é impossível garantir, por um lado, as condições de segurança e operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar.

    • Tribos de Nagaland, 26 de novembro a 12 de dezembro
      Embora as regiões de Nagaland e Megalaya onde decorre esta viagem não sejam das mais afetadas pela Covid-19 no território indiano, neste momento continua a ser impossível voar para qualquer aeroporto da Índia. Mantêm-se muitas restrições à circulação e acesso a espaços públicos. Muitos alojamentos, transportes públicos e infra-estruturas continuam encerrados e sem qualquer previsão de abertura. Não será possível garantir, por um lado, as condições de segurança e operacionalidade no terreno e, por outro, a experiência de viagem que a Nomad ambiciona proporcionar.

    PERGUNTAS FREQUENTES

    O que pode levar a Nomad a cancelar uma viagem?

    Face ao panorama global da COVID-19, a Nomad vai cancelar viagens para destinos com recomendação das autoridades de saúde para não viajar. 

    Outras viagens poderão ter de ser canceladas por razões de força maior não imputáveis à Nomad, resultantes do contexto atual da COVID-19, como por exemplo o impedimento de entrada a turistas pelo país de destino ou a falta de condições no terreno que permitam operacionalizar a viagem segundo os padrões Nomad.   

    Essas viagens serão assinaladas na lista das viagens canceladas e aplicam-se as condições descritas abaixo.


    O que acontece ao valor que paguei pela viagem?

    No contexto descrito acima, os viajantes afetados poderão transferir a sua inscrição para qualquer outra viagem que tenha lugares disponíveis com data até 31 Dez 2022.

    Em alternativa, poderão optar por guardar 100% do valor pago em crédito para se inscreverem em qualquer viagem com lugares disponíveis com data até 31 Dez 2022.


    E se a viagem for cancelada mas ainda não estava confirmada? 

    Se a viagem ainda não se encontrava confirmada (por não ter atingido o número mínimo de participantes inscritos) e for cancelada por força do impacto da COVID-19, serão aplicadas as condições descritas acima.


    Se a Nomad mantiver a viagem mas eu não quiser viajar?

    Caso pretenda desistir da sua reserva, os valores pagos não são reembolsáveis de acordo com os nossos Termos e Condições.   


    Posso adiar a minha viagem?

    A uma mudança de data serão aplicadas as condições previstas na rubrica Desistências, em que os valores pagos não são reembolsáveis de acordo com os nossos Termos e Condições.


    O que acontece ao valor que paguei pelos voos?

    Em caso de cancelamento da viagem, aconselhamos que contacte a companhia aérea com quem reservou os seus voos internacionais para obter informações sobre as condições de reagendamento e reembolso. Estamos disponíveis para apoiar durante este processo, embora dependa de cada viajante o contacto com as companhias aéreas, agência de viagens e/ou seguradoras.


    A viagem poderá sofrer alterações?

    Sim. No âmbito do impacto da COVID-19, a Nomad poderá definir alterações necessárias ao programa, com o objetivo de assegurar as condições de segurança e padrões de qualidade expectáveis. Qualquer alteração significativa será comunicada diretamente aos viajantes e referida na lista acima Viagens com Alterações.


    A experiência de viagem Nomad ficará comprometida?

    Não. Em alguns casos, poderão existir alterações ao programa original no que diz respeito, por exemplo, aos alojamentos, transportes, experiências ou itinerário, mas o conceito e espírito da viagem mantêm-se.


    Terei de usar máscara durante a viagem?

    Em alguns momentos, sim. Existem novas regras para a frequência de espaços fechados e transportes públicos, que obrigam ao uso de máscara. Estas medidas e outras de distanciamento social serão adaptadas à legislação em vigor no país de destino e de acordo com a evolução da pandemia.


    O que mudou nas viagens de avião?

    As companhias aéreas implementaram procedimentos para assegurar a saúde e segurança dos passageiros em viagem e limitar a propagação da COVID-19. As medidas de distanciamento social e higiene e etiqueta respiratória incluem, entre outras, o uso de máscara nos aeroportos e a bordo dos aviões, controlos de temperatura à entrada dos aeroportos, check-in online, serviços limitados de refeições e bebidas e limitação à bagagem de mão permitida.

    Recomendamos que consulte a sua companhia aérea para informação mais pormenorizada e específica ao seu voo.


    Devo tomar precauções adicionais antes da viagem?

    Nas duas semanas anteriores à viagem, aconselhamos as recomendações e boas práticas indicadas pela DGS para a redução do risco de exposição a um possível contágio da COVID-19.


    O que acontece se algum dos viajantes ficar infetado com a COVID-19 durante a viagem?

    Tal como com qualquer outra doença contagiosa que seja manifestada durante a viagem, serão ativados os cuidados de saúde locais, de acordo com a política vigente no país e com as recomendações da Organização Mundial de Saúde.


    O seguro Nomad cobre despesas Covid-19?

    Sim. Voltar a viajar nas circunstâncias atuais pode gerar ansiedade e a importância de se estar protegido por um bom seguro de viagem torna-se mais evidente. Para tua segurança, todos sinistros por COVID-19 estão cobertos em todas os seguros Nomad. Consulta aqui as condições.

    Para uma atualização diária, contacta-nos através do geral@nomad.pt ou 222 018 012.

    Algumas fontes que permitem o acompanhamento da situação:

    Direção-Geral Saúde

    Portal das Comunidades Portuguesas