Detalhes da Viagem

Siga-nos > Facebook Instagram
Descoberta Cultural

Indochina com Jorge Vassallo

Vietname, Cambodja, Tailândia e Laos

Venha aventurar-se com o Jorge à descoberta do Sudeste Asiático, numa viagem que atravessa quatro países fascinantes. Perca-se em ruas e mercados com quase mil anos, emocione-se com a história trágica dos Khmers Vermelhos e deixe-se deslumbrar pela paisagem e cultura ancestrais do rio Mekong. Viajamos em transportes locais, atravessando de mota os arrozais do Vietname e explorando de tuk tuk os inesquecíveis templos de Angkor. Em Banguecoque visitamos templos, experimentamos novos sabores e ritmos diferentes - antes de terminarmos em beleza no Laos, rodeados de uma paisagem feita de sorrisos, elefantes e monges budistas.

Percurso: 

Dia 1 Chegada a Hanói
Dia 2 Hanói
Dia 3 Hanói, Ninh Binh e comboio para Hué
Dia 4 Hué e arredores
Dia 5 Comboio Reunification Express para Saigão
Dia 6 Ho Chi Minh City (Saigão)
Dia 7 Autocarro para o Camboja
Dia 8 Phnom Penh
Dia 9 Barco para Siem Reap
Dia 10 Templos de Angkor
Dia 11 Templos de Angkor
Dia 12 Autocarro para a Tailândia
Dia 13 Banguecoque
Dia 14 Banguecoque
Dia 15 Autocarro para Vang Vieng
Dia 16 Vang Vieng
Dia 17 Autocarro para Luang Prabang
Dia 18 Luang Prabang
Dia 19 Luang Prabang
Dia 20 Luang Prabang e Voo de Regresso

Destaques: 

- Delicie-se com a gastronomia vietnamita
- Viaje no Reunification Express
- Testemunhe os dramas do genocídio Khmer
- Contemple o nascer do sol em Angkor Wat
- Assista a um combate de boxe tradicional khmer
- Tome banho com um elefante no rio Khan

Perguntas frequentes: 

Preciso de visto para esta viagem?
Para fazer esta viagem deverá solicitar on-line um visto pré-aprovado para o Vietname. A Tailândia não exige visto de entrada. Os vistos do Camboja e Laos são tratados à entrada de cada um dos países, custando 30 USD e 35 USD, respectivamente. A Nomad recomenda a Visateam (http://www.visateam.pt) para o apoio ao pedido do visto de que necessita para esta viagem. A Visateam é parceira Nomad desde a sua fundação tendo dado provas de profissionalismo e confiança. Os seus especialistas conhecem bem as nossas viagens e estão completamente aptos para ajudá-lo em todo o processo de pedido de visto, quer por telefone/mail, quer presencialmente, nas suas instalações de Lisboa e Porto.

Quais são os cuidados de saúde recomendados?
Recomendamos que realize a consulta de viajante, onde dar-lhe-ão todas as informações necessárias, que vacinas deve tomar e que cuidados específicos deve adoptar. Se tiver alguma doença específica podem ainda dar-lhe as indicações de como melhor lidar com ela nos locais que vai visitar.
Da nossa experiência recomendamos a profilaxia da malária.
Não é necessária a vacina contra a febre-amarela, excepto se tiver viajado diretamente de um país onde exista a doença.
Não se esqueça ainda que deve ter sempre, quer viaje ou não, a vacina anti-tetânica em dia.

Qual é o tipo de calçado mais indicado?
Qualquer calçado confortável é indicado para esta viagem. Não vamos fazer nenhum trekking pela selva, ou longas caminhadas. Apenas deambulamos pelas cidades e andamos pelas ruínas. Uns ténis e uns chinelos/crocs/sandálias é tudo o que é necessário.

Aconselham levar fato-de-banho/calções de banho?
Sim. O dia no rio é literalmente dentro do rio.

Como são os alojamentos?
Com a Nomad, a escolha dos alojamentos é encarada de forma muito criteriosa, para que a nossa seleção tenha o equilíbrio perfeito entre o contacto com a cultura visitada, o conforto necessário e a facilidade da própria viagem.
Na Ásia o sistema não é tão rígido quanto na Europa, pelo que não é possível responder a uma pergunta destas com "estrelas". Ficamos quase sempre em pequenos hotéis, alguns de carácter familiar. Os quartos têm sempre duas camas, ventoinha e quase sempre ar condicionado. As casas de banho têm água quente e retrete europeia, mas não deixam de ser asiáticas, pelo que (fora uma ou outra exceção) não têm banheira nem poliban - o chuveiro está montado na própria casa de banho. Em todos os hotéis há toalhas de banho e papel higiénico. Quase todos têm wifi gratuita e a maioria tem computador com internet à disposição dos hóspedes.
Os comboios vietnamitas têm cabine, com 2 beliches, e ar condicionado. Os revisores distribuem lençóis lavados, e cada cama tem uma almofada e edredão. Todas as carruagens têm casas-de-banho, água quente para fazer café, chá ou noodles. Há restaurante e nas paragens podemos sair e comprar coisas na estação.
O comboio da Tailândia é semelhante, mas a arrumação das camas é diferente. Não há cabines, as camas são em beliche mas corrido ao longo do comboio, e cada cama tem cortinados.
Os alojamentos das nossas viagens não têm o luxo de um resort, mas completam a emoção de explorar um país diferente. No final, os nossos viajantes referem-se a eles como parte integrante da sua viagem. Além de proporcionar experiências mais ricas do que nos limitarmos à utilização de hotéis padronizados estamos, assim, a apoiar as economias locais e a contribuir de forma sustentável para o desenvolvimento das regiões que visitamos. Em suma, com as viagens Nomad, não vai para hotéis internacionais de 5 estrelas, mas acredite que as nossas escolhas fazem parte de uma experiência 5 estrelas.

Se pretender chegar a Hanói uns dias mais cedo posso reservar convosco o alojamento? E se pretender ficar mais dias em Luang Prabang no fim da viagem?
Se pretender chegar a Hanói um ou mais dias antes da data de início da viagem podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos na viagem. No entanto, isso estará sujeito à disponibilidade do alojamento, pelo que sugerimos que nos faça o pedido assim que saiba as datas da sua viagem. A nossa equipa de atendimento pode prestar-lhe a informação de preço e disponibilidade. Da mesma forma, podemos reservar para si noites extra no mesmo alojamento que usamos em Luang Prabang, no final da viagem.

Como é o clima das regiões que visitamos?
Todas as datas disponíveis para a Indochina foram cuidadosamente pensadas para proporcionar o melhor equilíbrio entre condições climatéricas e o fluxo turístico na região. Fugimos às épocas de monções e tufões e, ao mesmo tempo, às multidões da época alta turística. Daí podermos dizer que cada uma das datas é muito semelhante no nível de qualidade que pretendemos atingir. É o fim da época seca, início dos calores. Vai estar quente de certeza, mas é provável que se apanhe noites frescas na primeira semana.

Temos que levar adaptador à corrente eléctrica?
As tomadas estão todas preparadas para receber as nossas fichas.

É indispensável levar saco-cama? Porque o recomendam?
O saco-cama é aconselhado por questões de higiene pessoal, mas pode levar um simples lençol-cama.

Que tipo de bagagem recomendam? Porque não aconselham trólei de viagem?
Apesar de a mochila ser o mais recomendado, não é obrigatório. As localidades são percorridas a pé ou em transportes locais como os tuk-tuks que não oferecem grande espaço para bagagem volumosa.
Acima de tudo, o importante é trazer pouco peso. Seja qual for o tipo de bagagem, o peso é inimigo do conforto. E por muito que não andemos pela Indochina a carregar malas, a verdade é que é preciso alguma flexibilidade.

Quanto dinheiro irei gastar em alimentação?
Em média 15 a 20 euros por dia, para almoçar e jantar e mais uns snacks. Este valor varia consoante os seus hábitos de consumo.

O grupo viaja todo junto?
Não, o ponto de encontro é sempre no destino. Assim tem a flexibilidade de escolher o horário de voo que mais lhe agradar.

Como é que se faz a reunião do grupo à chegada, uma vez que os voos são marcados de forma individual?
Quer marque o voo por si ou através de nós e independentemente do seu ponto de partida, nós ficaremos com os detalhes de voo de cada participante de modo a podermos passá-los ao Líder Nomad. Assim, ele estará a par do horário de chegada de cada um e estará à sua espera.

Podem reservar-me os voos?
Sim, pode tratar de todos os seus voos com a nossa agência. O voo não está incluído no preço da viagem para que possa ter a flexibilidade de escolher onde quer comprar o voo (atualmente há boas ofertas em motores de busca on-line como o eDreams) e de onde quer partir.

Posso inscrever-me sozinho?
Sim, maior parte dos nossos viajantes viaja sozinho.

Com quem irei partilhar a minha viagem, como são os viajantes Nomad?
Os viajantes Nomad têm todos um grande interesse comum: as viagens. É uma evidência, mas indica imediatamente que são pessoas curiosas, ativas, com gosto por conhecer, explorar e, sobretudo, encontrar uma visão diferente e uma atitude sustentável em relação aos lugares que visitam ou que percorrem. Como de uma característica de espírito se trata, é natural que seja transversal a qualquer faixa etária dos 20 aos 80 anos, e independente dos cargos ou estatutos que se possam ter na vida profissional. São pessoas que procuram a aventura e a descoberta e, por isso, têm uma atitude descontraída face aos imprevistos que possam surgir e preferem o contacto com os costumes locais ao conforto burguês das cadeias internacionais de hotéis ou restaurantes. São, sobretudo, pessoas que se inscrevem a maior parte das vezes de forma individual, e que esperam levar, no fim de cada viagem, a recordação de momentos inesquecíveis entre um grupo de novos amigos.

Itinerário detalhado: 

Dia 1 Chegada a Hanói
Ao aterrar na capital do Vietname, encontra o Jorge à sua espera no aeroporto; e depois de instalado no hotel pode ficar a descansar do voo, ou dar uma volta pelo centro da cidade, conhecida pelos vietnamitas como Thang Long - "onde o dragão se ergue". Com 6,5 milhões de habitantes e 3,5 milhões de motas, Hanói é um permanente desafio aos sentidos. Primeira lição: como atravessar a rua.

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 2 Hanói
Good morning, Vietnam! Começamos o dia junto ao lago Hoan Kiem, o coração da capital vietnamita - e o ponto de partida para um passeio a pé pelo Bairro Antigo, um fascinante labirinto de ruas onde se concentram os comerciantes da cidade, distribuídos de acordo com os seus ofícios. Há ruas onde só se vendem sapatos, ou brinquedos, relógios, instrumentos musicais, acessórios para as motas. Tudo o que se possa imaginar. A meio do passeio fazemos uma pausa - se quiser pode experimentar a Bia Hoi, uma cerveja artesanal que é também a mais barata do mundo. Mais tarde almoçamos como os locais, sentados em bancos de plástico rente ao chão, e vamos provar um prato tradicional de Hanói (o preferido do Jorge): o bun cha. Durante a tarde, seguimos de mota (com motorista) até ao Templo da Literatura (a mais antiga universidade do Vietname), o Mausoléu de Ho Chi Minh e o Pagode de Um Pilar; e à noite assistimos a um espetáculo único, adaptado de uma tradição antiga: os Fantoches na Água.

Alimentação: Pequeno almoço
Alojamento: Hotel

Dia 3 Hanói, Ninh Binh e Comboio para Hué
Hoje madrugamos e vamos assistir a uma das mais interessantes facetas de Hanói: o despertar da cidade. Milhares de pessoas concentram-se à volta do lago Hoan Kiem e começam o dia a praticar yoga, tai chi, badminton e outros desportos. Deseja participar? Junte-se a um dos grupos, toda a gente é bem-vinda. Depois do pequeno-almoço deixamos Hanói, de autocarro, com destino em Ninh Binh. Aqui vamos encontrar uma paisagem muito diferente da capital: campos a perder de vista, salpicados de rochedos e aldeias, uma paz feita de sorrisos e arroz, igrejas católicas, templos confucionistas e chapéus em cone. Vamos passear de barco a remos, atravessando grutas e uma paisagem bucólica - o bálsamo perfeito depois do caos citadino. À noite seguimos de comboio para Hué, onde chegaremos na manhã seguinte.

Alimentação: Pequeno almoço

Alojamento: Cabine de comboio

Dia 4 Hué e Arredores
Hué foi capital do Império Nguyen e ponto estratégico durante a guerra com os americanos. Hoje é Património da Humanidade e uma das mais interessantes atrações turísticas do Vietname. É nos arredores que vamos conhecer túmulos imperiais, pagodas e um cemitério impressionante. Mas surpreendente, se aceitar o desafio do Jorge, será o programa reservado para depois do jantar: já alguma vez ouviu falar de karaoke vietnamita?


Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 5 Reunification Express para Saigão
Passamos o dia (e a noite) no Reunification Express. É uma viagem longa - mas fascinante. Logo de manhã, apaixonamo-nos pela memorável paisagem entre Hué e Danang. Depois temos o resto do dia para ler e descansar, partilhar histórias e experiências, petiscar, deixarmo-nos embalar pelo ritmo do comboio. É uma viagem mítica, que só termina na madrugada do dia seguinte, na maior cidade do país: Saigão.


Alimentação: -
Alojamento: Cabine de comboio

Dia 6 Ho Chi Minh City (Saigão)
Rebatizada de Ho Chi Minh City, a maior cidade do Vietname tem um ritmo frenético e é uma louca mistura de templos ancestrais e arranha-céus, mercados tradicionais e centros comerciais, galerias de arte e bancas de rua. Depois de recuperar energias da longa viagem de comboio, vamos testemunhar um dos momentos mais dramáticos da História do país: a guerra com os Estados Unidos da América. O Museu dos Despojos da Guerra é uma experiência intensa, mas obrigatória. Temos o resto do dia para visitar a estação dos correios, um mercado e vários templos - e acabamos a tarde na esplanada do Hotel Rex, o emblemático hotel onde estavam hospedados os correspondentes de guerra, nos anos sessenta. Quem ainda tiver energias, depois do jantar, pode sempre experimentar com o Jorge a noite de Saigão!


Alimentação: Pequeno almoço
Alojamento: Hotel

Dia 7 Autocarro para o Camboja
O dia em que completamos uma semana de viagem é aquele em que entramos no segundo país desta aventura: vamos de autocarro para Phnom Penh, a capital do Camboja. E se hoje jantássemos no Mercado Noturno, sentados no chão? As aranhas fritas são opcionais...

Alimentação: Pequeno almoço
Alojamento: Hotel

Dia 8 Phnom Penh
Acompanhe o Jorge numa visita emocionante aos Campos da Morte e ao Museu Tuol Sleng – a antiga Prisão S-21, onde ficará a conhecer de perto os horrores cometidos pelo regime liderado por Pol Pot, os Khmers Vermelhos. À tarde aligeiramos o tom e vamos conhecer o Palácio Real e o Pagode de Prata - e, se quiser, poderá assistir a um combate de boxe tradicional khmer. Segundo os locais, esta é a "versão original" do muay thai. Se não for adepto de emoções tão fortes, pode sempre ir dar uma volta a pé pela marginal, junto ao rio, onde centenas de pessoas dançam ao ritmo de hip hop, e monges budistas passeiam lado a lado com turistas, domingueiros e casais de namorados.

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 9 Barco para Siem Reap
É imprescindível "carregar" no protetor solar para a viagem de hoje. Vamos passar a manhã num barco, a subir o Tonlé Sap - rumo a Siem Reap, passando por aldeias flutuantes, mesquitas e pescadores que nos acenam a desejar "boa viagem". Depois de nos instalarmos no hotel, temos tempo suficiente para almoçar e para dar uma primeira "espreitadela" a Angkor.


Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 10 Templos de Angkor
O dia começa muito cedo. Assistimos ao nascer-do-sol em Angkor Wat, Mãe de Todos os Templos e Património da Humanidade, entre inúmeros títulos e infinitos adjectivos. Depois passamos o resto do dia a explorar outras ruínas espalhadas pela floresta. Há caras esculpidas nas rochas, no Bayon; um terraço de elefantes, longuíssimos painéis com batalhas da mitologia hindu, portões monumentais e Ta Prohm, onde raízes e pedras lutam por cada centímetro. Sabia que, escondido a um canto, há um dinossauro esculpido na rocha?


Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 11 Templos de Angkor
Os tuktuk levam-nos até Banteay Srei. Devido à cor rosada da pedra com que é feito, este lugar ganhou a alcunha de "Lady Temple". É mais pequeno do que aqueles por onde andamos ontem, mas os pormenores dos baixos relevos são minunciosos e muito interessantes. A seguir prosseguimos viagem em direcção ao "Rio das 1000 Lingas", que requer também uma caminhada na selva. Não se esqueça de trazer um cantil com água. No regresso a Siem Reap, poderá optar por visitar mais um templo, conhecer o Museu de Angkor ou simplesmente perder-se nas compras e massagens.

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 12 Autocarro para a Tailândia
Partimos de manhã num autocarro para a fronteira, de onde seguimos viagem para a multi-facetada e sedutora Banguecoque, a “Cidade dos Anjos”. Chegamos ao fim da tarde: se quiser pode ficar a descansar no hotel e deliciar-se com uma massagem tailandesa, ou simplesmente sentar-se numa esplanada e experimentar a excelente comida local.

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 13 Banguecoque

“Same, same but different”. A frase estampada em milhares de t-shirts é quase um modo de estar, e hoje vamos ter um dia assim: igual, igual… mas diferente. Visitamos o Palácio Real e o Templo do Buda de Esmeralda, o Wat Pho e o seu buda deitado… o mesmo de sempre? Sim - mas diferente: fazemos como os tailandeses e descemos o rio Chao Phraya de barco, visitamos um mercado de amuletos, deliciamo-nos com os petiscos locais. Ao fim da tarde, poderá acompanhar o Jorge num mojito a 64 andares de altura - a vista é inacreditável!


Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 14 Banguecoque
A manhã de hoje é livre - se quiser pode perder-se no maior mercado da Ásia, o Chatuchak Market; ou simplesmente recuperar energias com uma massagem e um passeio. À tarde vamos dar uma volta de barco pelos canais, quem sabe até vemos os famosos lagartos gigantes que habitam os bairros dos arredores de Banguecoque; e à noite voltamos a avançar pelo mapa adentro, desta vez de comboio, onde passamos a noite.

Alimentação: -
Alojamento: Cabine de comboio

Dia 15 Autocarro para Vang Vieng
Acordamos junto ao Mekong, onde o comboio termina a sua viagem - e entramos finalmente no Laos, o quarto e último país deste intenso périplo pela Indochina. Durante o resto da manhã estaremos ainda em viagem, numa minivan a caminho de Vang Vieng. A terceira semana de viagem tem um ritmo muito próprio - e o Laos é o lugar certo para relaxar e apreciar os pequenos (e preciosos) prazeres da vida. A tarde em Vang Vieng é livre, pode ficar a descansar numa rede com vista sobre as montanhas, ou acompanhar o Jorge num passeio de bicicleta ou mota, entre paisagens de arrozais, vacas, aldeias e grutas.

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 16 Vang Vieng
Vang Vieng é uma vila turística rodeada de florestas tropicais e grutas habitadas por espíritos - e um rio chamado Canção, que vamos descer "de bóia", num ritual mítico para os backpackers que viajam no Sudeste Asiático. O final da tarde é livre: se quiser pode ir dar mais uma volta de bicicleta; se preferir pode ficar apenas a relaxar, quem sabe (mais) uma massagem, pôr a leitura em dia... que bem se está no campo!

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 17 Autocarro para Luang Prabang
Hoje cumprimos a última viagem desta odisseia, numa estrada que serpenteia entre vales e montanhas, gado a pastar, aldeias de minorias étnicas - descrita por muitos viajantes como “a mais bonita do Sudeste Asiático”. Ao fim de um dia inteiro na estrada (com direito a paragens "estratégicas" para passearmos numa aldeia, apreciar a paisagem e comer) surpreendemo-nos com a chegada à cidade monástica de Luang Prabang, classificada pela UNESCO como Património da Humanidade, e um lugar verdadeiramente mágico.

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 18 Luang Prabang
Na primeira manhã em Luang Prabang voltamos a madrugar, para testemunhar uma tradição milenar que faz furor entre os turistas: logo de manhã, centenas de monges vestidos nos seus robes laranja caminham descalços pelas ruas de Luang Prabang, para receber as oferendas dos fiéis budistas. É um evento tocante e muito colorido, e serve de “aquecimento” para um dia muito tranquilo, passado entre templos, palácios e o rio Mekong, que vamos descer de barco, a caminho das cascatas de Kuang Si - o lugar ideal para um piquenique. De regresso à cidade, perca-se e perca a cabeça no Mercado Nocturno, onde poderá encontrar a maior colecção de artesanato e têxteis do Laos.

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 19 Luang Prabang
Diz-se na Indochina que "no Vietname planta-se o arroz, no Cambodja vê-se o arroz crescer e, no Laos, ouve-se o arroz crescer". Assim, e de acordo com o provérbio, hoje mantemos o ritmo e fazemos pouco... e devagar. O dia é livre, mas o Jorge tem uma sugestão: e se fechássemos esta aventura com chave de ouro, tomando banho com um elefante? Exatamente: banho. Começamos com um passeio pela selva e, quem quiser, pode tomar banho no rio, montado neste animal a quem chamam de "gentil gigante". É uma experiência inesquecível. Ao fim da tarde poderá subir à Phousy Hill para assistir ao pôr-do-sol - ou então acompanhe o Jorge ao seu "spot secreto".

Alimentação: -
Alojamento: Hotel

Dia 20 Luang Prabang e Voo de Regresso
Hoje é dia de despedidas. O Jorge vai deixá-lo ao aeroporto de Luang Prabang, de onde partirá para o seu regresso a casa. 
Fim dos nossos serviços.

Alojamento: -
Alimentação: -

Inclui:
- Alojamento durante todo o programa
- Transportes locais em comboio, autocarro e barco
- Acompanhamento de líder Nomad durante toda a viagem
- Passe de 2 dias nos Templos de Angkor
- Transporte para o combate de boxe tradicional khmer
- Transferes de aeroporto (dentro das datas do programa)

Exclui:
- Voos
- Vistos
- Alimentação (cerca de 15€/dia)
- Extras pessoais como bebidas, telefone, etc
- Entradas e guias locais em monumentos
- Passeio de elefante
- Seguro pessoal

Impacto Cultural > Alto
Estará exposto a costumes e gastronomia muito diferentes da que está habituado. Poderá sentir algumas dificuldades de adaptação.
Esforço físico > Baixo
Viagens ao alcance de qualquer pessoa.
Zona de Conforto > Ligeiro
Os alojamentos serão simples, mas com as condições de higiene mínimas asseguradas. Algumas deslocações poderão implicar algum desconforto e exigir uma certa dose de boa vontade por parte dos viajantes.

Resumo de Viagem

Duração da viagem: 
20 dias
Alojamento: 
Hotel (16 noites), Cabine de Comboio (3 noites)
Atividades: 
Viagem de comboio, descoberta cultural, percurso de barco, motas e tuktuks
Inscrições: 

Min: 4       Max: 10

Voos (não incluídos)

Valor indicativo
1 150€

Próximas datas

  • 29 Out a 17 Nov 2017
    1650€
  • 21 Jan a 9 Fev 2018
    1650€
Ver todas as datas

Testemunho

"Uma viagem incrível por entre sorrisos, budas, templos, paisagens fabulosas, sabores diferentes, imprevistos e o inesquecível amanhecer em Angkor." Ana C.

Líder Nomad

Jorge Vassallo

Perito a transformar viagens em experiências de vida.


Ajuda